Gonçalo, 17 anos, diz ter sido vítima de ataques transfóbicos

Um rapaz de 17 anos, que se encontra em processo de mudança de sexo, alega ter sido vítima de ataques transfóbicos por parte de três homens em Coimbra. PSP diz estar "empenhada" em identificar os suspeitos.

A PSP recebeu, na segunda-feira, uma denúncia de ofensas à integridade física, que terão ocorrido pelas 22:00, na avenida Emídio Navarro, perto do Parque Verde, com a vítima a dizer que foi agredida por três homens, com cerca de 40 anos, revelou hoje o Comando da PSP de Coimbra, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

De acordo com a nota, o jovem disse que o ataque terá tido motivações transfóbicas.

A informação explica ainda que a vítima teve necessidade de "tratamento hospitalar e que foi notificada para comparecer no Instituto de Medicina Legal com o propósito de ser submetida a exames forenses".

"Estamos empenhados no sentido de identificar os suspeitos do crime", acrescenta o Comando da PSP de Coimbra.

Em declarações à Lusa, a vítima, Gonçalo Rafael (a fazer o processo de transição de rapariga para rapaz no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra), referiu que as ameaças e injúrias começaram na rede social Instagram, assim que assumiu o processo de mudança de sexo.

Posteriormente, alguém apoderou-se da sua conta naquela rede social e teve que criar uma conta nova, disse.

Segundo Gonçalo Rafael, no sábado, surgiram os primeiros ataques, no Parque Verde, às 16:30, quando três homens o abordaram e começaram a dar-lhe murros e pontapés.

"Fiquei com dois olhos negros, uma costela dorida e o nariz também", refere, salientando que os ataques apenas acabaram quando surgiram duas raparigas que vieram em sua defesa.

Na altura, não apresentou queixa por medo, face às ameaças que recebeu dos atacantes.

De acordo com Gonçalo, na segunda-feira, quando ia a caminho da casa da irmã, na zona do Parque Verde, voltou a confrontar-se com os três indivíduos que voltaram a bater-lhe e cuspiram-lhe para a cara, enquanto diziam: "És uma vergonha para a sociedade. Vais morrer".

Neste segundo ataque, afirma Gonçalo, os atacantes ainda lhe puxaram as calças para baixo, mas surgiram dois rapazes que estavam a correr naquela zona e que acabaram por chamar a polícia.

"Nunca pensei que isto pudesse acontecer em Coimbra. Pensava que Coimbra era uma cidade aberta, mas afinal ainda há muitos preconceitos", contou à Lusa a irmã da vítima, de 25 anos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG