PSP alerta condutores de Lisboa para esquema de burlas com falsos acidentes

Suspeitos seguem as vítimas em parques de estacionamento após iniciarem a marcha. Objetivo é obter valores monetários para os supostos arranjos dos veículos.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) alertou esta quinta-feira a população da cidade de Lisboa para um esquema de falsos danos provocados em viaturas com o intuito de burlar os automobilistas.

Em comunicado, a PSP explica que os suspeitos selecionam as vítimas em parques de estacionamento, seguindo-as quando iniciam a marcha. "Após alguns instantes, seguindo atrás das vítimas, buzinam insistentemente e tentam que estas parem para iniciar um diálogo", é referido.

Os suspeitos acusam as vítimas de provocarem danos nas suas viaturas (por distração ou durante a realização de manobras), exercendo pressão e tentando intimidar, com o intuito de receberem dinheiro para o arranjo dos danos, supostamente provocados pela vítima. A PSP conta que os suspeitos "alegam estar com pressa e que não podem esperar pela polícia ou pelo preenchimento de declaração amigável".

De acordo com esta força de segurança, "as viaturas dos suspeitos apresentam realmente os referidos danos e, por vezes, para dar credibilidade à sua história, causam alguns danos nas viaturas das vítimas". O objetivo passa por tentar obter valores monetários para o suposto arranjo das viaturas.

A PSP adianta que desde o início do ano foram registadas 30 burlas com esta atuação, tendo sido detidos dois suspeitos e identificados outros nove. Por isso, a PSP aconselha os cidadãos de Lisboa a chamar as autoridades ao local sempre que sejam intervenientes num acidente de viação de que não se tenham apercebido e a nunca entrar em acordo se lhes pedirem dinheiro.

"Tome sempre nota dos dados da viatura (matricula, marca, modelo e cor) em que o(s) suspeito(s) se faz(em) transportar (quando em situações de burla, os suspeitos abandonam o local quando é referido que se vai chamar a polícia)", indica o Comando Metropolitano de Lisboa. A PSP recomenda ainda que os cidadãos denunciem sempre que sejam vítimas de burla ou tentativa de burla. "O conhecimento das situações é essencial para uma eficaz investigação", sublinha a PSP.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.