Médicos da MAC apresentam carta de demissão. Administração diz que situação está ultrapassada

Chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia da Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, demitem-se alegando falta de recursos humanos e exaustão

Chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia da Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, apresentaram uma carta de demissão à administração, que afirma que a situação "está controlada e ultrapassada".

Os profissionais que assinaram e entregaram a carta, a que a agência Lusa teve acesso, indicam que há falta de recursos humanos e que os profissionais estão exaustos.

Fonte oficial do Centro Hospitalar de Lisboa Central, que integra a Maternidade Alfredo da Costa, indicou que a carta foi entregue, mas que os profissionais se mantêm em funções e que a situação se encontra "controlada e ultrapassada".

"Já alertámos várias vezes para a exaustão dos profissionais, que se agravará com o período de férias que se aproxima", escrevem os chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia da Maternidade, segundo a carta a que a agência Lusa teve acesso.

A notícia foi avançada pela Rádio Renascença e, entretanto, confirmada pela Lusa, que teve acesso ao documento e que falou com fonte oficial do Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Na carta, os profissionais referem que a MAC tem apenas 27 especialistas médicos que realizam serviço de urgência de dia e de noite e que uma dessas profissionais se encontra de baixa por gravidez de risco.

Dos 27 especialistas, 13 têm mais de 50 anos e sete têm mais de 55 anos.

O número de horas extraordinárias feitas pelos profissionais já excede "há vários meses" o que está previsto por lei e também as equipas de enfermagem se encontram reduzidas e igualmente em exaustão.

Esta carta surge depois de vários chefes de equipa do hospital de São José, também do Centro Hospitalar de Lisboa Central, terem pedido a sua demissão, considerando que as condições da urgência do hospital de São José não têm níveis de segurança aceitáveis.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.