Lisboa inaugura espaço para acolher pessoas sem-abrigo infetadas

O espaço é "completamente autónomo" e destina-se "exclusivamente a pessoas com covid-19 que estejam assintomáticas ou tenham sintomas ligeiros", afirmou o vereador com o pelouro dos Direitos Sociais

Lisboa conta a partir desta segunda-feira com um espaço para acolher pessoas em situação de sem-abrigo diagnosticadas com covid-19 e que estejam assintomáticas ou com sintomas ligeiros, anunciou a autarquia da capital.

Em declarações à Lusa, o vereador com o pelouro dos Direitos Sociais, Manuel Grilo, explicou que o espaço, cedido pela Mesquita Central de Lisboa, é "completamente autónomo" e destina-se "exclusivamente a pessoas com covid-19 que estejam assintomáticas ou tenham sintomas ligeiros".

Atualmente tem oito camas, mas pode vir a ter 16, acrescentou o autarca do BE (partido que tem um acordo de governação do concelho com o PS), adiantando que os doentes terão apoio constante, durante 24 horas, por técnicos das corporações de Bombeiros Voluntários da Ajuda e de Campo de Ourique.

Espaço "tem todas as condições

De acordo com Manuel Grilo, até agora foi identificado um sem-abrigo com covid-19, que está internado num hospital e que quando tiver alta poderá "ser o primeiro a inaugurar aquele espaço" que, garante o vereador, "tem todas as condições".

O responsável pela pasta dos Direitos Sociais destacou ainda que à porta deste espaço de acolhimento estará sempre uma ambulância para assistir o doente em caso de "agravamento dos sintomas".

Os infetados poderão estar em contacto uns com os outros, referiu o autarca, sublinhando que os bombeiros terão "todos os equipamentos de proteção integral" para desempenharem as suas funções.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 114 mil mortos e infetou mais de 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Em Portugal, segundo o balanço feito esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde, registam-se 535 mortos, mais 31 do que no domingo (+6,2%), e 16.934 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 349 (+2,1%).

Dos infetados, 1.187 estão internados, 188 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 277 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG