Liga dos Bombeiros "não aceita" transportar doentes ao preço proposto pelo IPO

O Conselho as Federações da Liga dos Bombeiros Portugueses decidiu, por unanimidade, não aceitar transportar doentes em viaturas dedicadas para o efeito ao preço proposto pelo Instituto Português de Oncologia de Lisboa.

O presidente da Liga dos Bombeiros disse à lusa que "ficou decidido, por unanimidade, que ninguém aceitaria fazer transportes por menos de 51 cêntimos ao quilómetro", o valor praticado atualmente. Jaime Marta Soares acusa o IPO de Lisboa de "inventar arbitrariamente e sem sustentação legal" uma proposta para descer o preço para os 36 cêntimos ao quilómetro para as viaturas dedicadas ao transporte de doentes não urgentes.

Segundo Jaime Marta Soares, "o acordo com o Governo é de 51 cêntimos, qualquer que seja o tipo de viatura" e os bombeiros "não abdicam deste valor". Perante esta situação, a liga já pediu uma reunião à administração do IPO e mostra-se confiante de que será possível chegar a um entendimento.

"O transporte de doentes oncológicos é específico, mexe com o sofrimento dos doentes e das famílias e mexe também connosco no sentido humano e humanitário", salientou o presidente da Liga dos Bombeiros.

Na ótica de Marta Soares, esta pode ser uma boa oportunidade para avançar com "uma plataforma de gestão do transporte de doentes", que inclusivamente já "existe num ou noutro hospital", e que "controla com rigor os transportes de doentes".

Uma vez que "trata de igual forma" todas as entidades que prestam este serviço, esta plataforma permitirá também "estabilidade no funcionamento" dos transportes.

Jaime Marta Soares notou que a circular divulgada pelo IPO de Lisboa prevê que os bombeiros passem também a "pagar estacionamento nos parques" daquele hospital após um certo período de tempo.

Para o líder da liga, os "bombeiros portugueses andam a subsidiar o Estado, o Estado social são os bombeiros".

Notando que "isto não pode continuar", Marta Soares avisa ainda que esta situação pode levar "a que, de um momento para o outro, os bombeiros deixem de fazer este serviço".

O líder da Liga dos Bombeiros Português indicou que, além do IPO, também a Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro) "teve esta atitude".

"Convido a presidente da ARS Centro a pegar no seu carro e a transportar os doentes, para ela saber quanto é que custa a vida dos bombeiros. Num lugar daqueles têm de estar pessoas competentes, e não uma senhora com prepotência e atitudes que já não se justificam num estado de direito democrático", disse referindo-se a Rosa Maria dos Reis Marques.

O Conselho as Federações da Liga dos Bombeiros Portugueses - que é composto pelos membros do Conselho Executivo e os presidentes das Federações Regionais e Distritais de Bombeiros - reuniu-se na sexta-feira à noite.

Na reunião, o Conselho as Federações da Liga dos Bombeiros Portugueses discutiu também a proposta de acordo coletivo de trabalho, tendo sido "o dado prazo de um mês para que as federações se pronunciassem".

Marta Soares indicou também que a próxima reunião deste órgão ocorrerá "dentro de 30 dias".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.