Jovem francês sequestrado em veleiro é libertado em operação "cinematográfica"

Polícia Judiciária, Marinha, Polícia Marítima e Força Aérea Portuguesa: em dois dias detetaram e libertaram a vítima de 28 anos que já se encontrava a 400 quilómetros da costa portuguesa. Sequestrador está detido

O resgate de um jovem francês, de 28 anos, sequestrado num veleiro em alto mar, envolveu mais de uma centena de operacionais das forças de segurança portuguesas. A operação "cinematográfica" envolveu elementos da Unidade Nacional de Contra Terrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ), que contou com o apoio da Marinha, Polícia Marítima e Força Aérea Portuguesa.

A vítima foi libertada na madrugada de sábado, depois de dois inspetores da PJ descerem, de helicóptero, até a uma corveta da Marinha, onde esperaram pelo melhor momento para surpreenderem o sequestrador.

Vítima pediu ajuda por sms

Tudo começou com um sms enviado pela vítima a um amigo em França, na última quinta-feira. Dizia que tinha sido sequestrado em Portugal e levado para alto mar por outro francês, de 42 anos, já referenciado no país de origem como estando envolvido no crime organizado. Aliás, no comunicado enviado à comunicação social, a PJ descreveu o caso como tendo "contornos de criminalidade especialmente violenta".

Segundo o porta-voz da Marinha, o comandante Pereira da Fonseca, o amigo da vítima contactou as autoridades francesas que pediram ajuda à Polícia Judiciária. Em menos de 24 horas, descobriu-se que o veleiro já partira do porto de Leixões e rumo a destino desconhecido. Quando foi encontrado, estava já "a 400 quilómetros da costa", avança o comandante.

"Costumamos colaborar com a Polícia Judiciária em casos de narcotráfico, mas, em 28 anos, não me lembro de uma situação de sequestro", disse ao DN o porta-voz da Marinha.

Para detetar o veleiro foi necessária a intervenção não só da Polícia Marítima, como também da Unidade Especial de Fuzileiros da Marinha. Depois, foi planear e montar a operação de resgate, que teve início ainda na sexta-feira.

Dois inspetores da UNCT da PJ desceram de um helicóptero da Força Aérea e foram largados na corveta Jacinto Cândido, onde esperaram pela madrugada de sábado para atuar.

A vítima não apresentava sinais de violência. No veleiro foi encontrada "uma grande quantia de dinheiro", segundo a PJ, que não avançou mais dados, uma vez que o caso ainda está em investigação.

O jovem já prestou testemunho e desconhece-se se partiu para França ou se continua em Portugal. O sequestrador foi ouvido no domingo por um juiz e encontra-se em prisão preventiva.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.