Já chegaram a Portugal 33 refugiados provenientes do Egito

Os refugiados, nacionais do Sudão do Sul e da Síria, vão ser acolhidos em Lisboa, Coimbra, Proença-a-Nova e Alvito

Portugal recebeu esta semana 33 cidadãos refugiados, provenientes do Egito mas nacionais do Sudão do Sul e da Síria, adiantou o gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, em comunicado.

"Os 33 cidadãos, 14 adultos e 19 menores (seis famílias e dois cidadãos isolados), nacionais do Sudão do Sul e da Síria, são acolhidos pela Associação Peaceful Paralel (Coimbra), pela Câmara Municipal de Proença-a-Nova, pela Câmara Municipal do Alvito e pela Câmara Municipal de Lisboa", refere o comunicado.

Na segunda-feira chegou a Portugal o primeiro grupo de refugiados, composto 26 pessoas, estando já prevista na altura a chegada de novo grupo hoje e de outro ainda durante o mês de dezembro.

"Os cidadãos que chegaram esta semana encontravam-se no Egito sob proteção do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e, em julho deste ano, integraram a missão de seleção realizada por uma equipa conjunta do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) naquele país.

Decorrem atualmente os procedimentos de pré-partida para mais um grupo proveniente do Egito, cuja chegada se prevê para breve", lê-se no comunicado do Governo.

O acolhimento de refugiados em Portugal é uma resposta ao pedido da União Europeia para que os Estados-membros ajudem, até ao final de 2019, à reinstalação de 50 mil pessoas a precisar de proteção internacional, tendo o Governo português manifestado disponibilidade para receber 1.010 refugiados sob proteção do ACNUR na Turquia e no Egito.

"Em novembro, o SEF e o ACM realizaram a segunda missão de seleção no Egito e uma primeira missão à Turquia, com entrevistas a cerca de 300 pessoas que serão reinstaladas em Portugal ao longo do próximo ano", refere ainda o comunicado.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.