Violência na PSP? Só 0,054% de queixas em 2,5 milhões de intervenções motivam diretor-nacional

A PSP celebra 151 anos esta segunda-feira. No seu discurso o diretor-nacional passou ao lado dos recentes casos, alguns em julgamento, de suspeitas de violência policial e racismo nesta força de segurança

O diretor-nacional da PSP, Luís Farinha, está motivado com o facto de a atuação da sua polícia só ter tido queixas em 1350 casos de um total de "2,5 milhões de intervenções" que teve em 2017. No discurso para assinalar os 151 anos desta força de segurança, na presença do ministro da Administração Interna, o superintendente chefe não encontrou uma forma direta de falar das suspeitas de violência e racismo que têm atingido a PSP.

Desde o julgamento por tortura, sequestro e racismo de 17 agentes de Alfragide, ao caso do subcomissário condenado por ter agredido um adepto do Benfica, ou a alegada falha na intervenção da PSP no recente caso da jovem colombiana agredida por um segurança dos transportes, no Porto, ou ainda as acusações que pesam sobre agentes e oficiais do comando da Amadora, também por violência policial.

Perante Eduardo Cabrita, que ordenou à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) a abertura de um processo administrativo para averiguar a atuação da PSP no incidente do Porto, garantido que "não tolerará fenómenos de violência nem manifestações de cariz racista ou xenófobo", Luís Farinha recordou que "o volume das intervenções dos polícias da PSP ultrapassa, anualmente, as 2,5 milhões, além de ser uma instituição sujeita "a um elevado escrutínio" do cidadão comum.

Nas suas contas, deste total em 2017 "as queixas contra atuações policiais e as reclamações em livro de reclamações, representaram 0,054% do total de interações". O diretor nacional diz que este valor "motiva" a PSP "no caminho traçado, com vista a um objetivo ainda mais exigente, que é a inexistência de queixas ou reclamações".

Sublinhou que a polícia "não pode escamotear que a pressão de decisões imediatas, tomadas em ambientes hostis e de elevado risco" a que os agentes estão sujeitos "não podem ser, por si só justificação", nem "podem ser simplesmente desconsideradas". Também não explicou de que "ambientes hostis e de elevado risco" se tratava, tendo em conta que boa parte dos casos sob suspeita têm as instalações policiais como palco.

No seu discurso do ano passado, em pleno rescaldo da acusação contra a esquadra de Alfragide, este oficial superior parecia ter deixado implícito, sempre de forma indireta, um aviso crítico às "tropas". "Saberemos também, face a episódios negativos recentes que afetaram a imagem e a confiança na instituição, protagonizados por quem não honra o compromisso de ser polícia, encontrar as soluções adequadas e continuar a trabalhar com dedicação e ultrapassar as dificuldades por forma continuar a merecer a plena confiança dos portugueses", afiançou o chefe máximo da PSP.

No entanto, veio depois a clarificar internamente que se estava a referir ao roubo das 57 glock dos armazéns do quartel-general da PSP, em fevereiro de 2017, e que se encontra até hoje por esclarecer.

Na sua intervenção, o chefe máximo da PSP apelou a um "rejuvenescimento e reforço do efetivo operacional", considerando que se trata de uma necessidade premente que importa assegurar".

"Fruto da posição privilegiada que Portugal ocupa no 'ranking' dos países mais seguros, o aumento exponencial do turismo e do volume processado de passageiros em ambiente aeroportuário, a par do quase desaparecimento da sazonalidade na ocupação turística, implicam um acréscimo significativo populacional e dos riscos de criminalidade, essencialmente a oportunista, a ela associada", sublinhou.

Esta situação, "constitui, atualmente, um desafio na gestão dos meios humanos e materiais disponíveis, sem que sejam afetados os níveis desejáveis de segurança", acrescentou.

Neste contexto,"o rejuvenescimento e reforço do efetivo operacional, impõe-se como uma necessidade premente que importa assegurar, para obviar a uma degradação da qualidade de resposta e do serviço prestado ao cidadão e ao turista".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.