Vinte e três pessoas detidas pela PJ e GNR no Boom Festival

Maioria dos arguidos é estrangeira

A Polícia Judiciária (PJ) e a GNR de Castelo Branco detiveram 23 pessoas no interior do recinto do Boom Festival por alegado tráfico de droga e apreenderam um vasto leque de estupefacientes, foi nesta segunda-feira anunciado.

A PJ e o Comando de Castelo Branco da GNR desenvolveram a Operação Lua Cheia, da qual resultou a identificação e a detenção de 23 pessoas, a maioria estrangeira, pela presumível autoria do crime de tráfico de estupefacientes.

"As detenções ocorreram no interior do recinto do Boom Festival em Idanha-a-Nova, no âmbito do combate ao tráfico, entre outras, das chamadas drogas sintéticas ou drogas de desenho, habitualmente consumidas neste tipo de eventos", lê-se no comunicado da PJ.

A Operação Lua Cheia, que contou com a colaboração do Ministério Público de Castelo Branco, GNR e uma equipa do Laboratório de Polícia Cientifica da PJ, foi o culminar de uma investigação iniciada há três meses, com o objetivo de sinalizar e neutralizar a ação de pessoas que se deslocam a Portugal com o único propósito de comercializar substâncias proibidas.

"Os detidos, com idades compreendidas entre os 22 e os 48 anos, foram presentes a primeiro interrogatório judicial, tendo quatro sido sujeitos à medida de coação de prisão preventiva e um proibido de voltar a entrar no recinto do Boom Festival. Os restantes 18 aguardam ainda a decisão quanto às medidas de coação", lê-se na nota.

Além das detenções, foram apreendidas 900 doses de liamba, 1800 de haxixe, 3650 de MDMA, 75 de cocaína, 1100 de anfetaminas, 1216 pastilhas de ecstasy, 801 microsselos de LSD, 26 frascos de LSD em estado líquido, 40 gomas impregnadas com LSD, 216 gramas de cogumelos alucinogénios, 492 gramas de substâncias vegetais impregnadas com DMT, 130 gramas de quetamina, 77 gramas de ópio e 47 micropontos de mescalina.

A PJ e a GNR apreenderam ainda 11 balanças de precisão, diverso equipamento informático de som e imagem e cerca de 91 mil euros em numerário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.