Vinte e três pessoas detidas pela PJ e GNR no Boom Festival

Maioria dos arguidos é estrangeira

A Polícia Judiciária (PJ) e a GNR de Castelo Branco detiveram 23 pessoas no interior do recinto do Boom Festival por alegado tráfico de droga e apreenderam um vasto leque de estupefacientes, foi nesta segunda-feira anunciado.

A PJ e o Comando de Castelo Branco da GNR desenvolveram a Operação Lua Cheia, da qual resultou a identificação e a detenção de 23 pessoas, a maioria estrangeira, pela presumível autoria do crime de tráfico de estupefacientes.

"As detenções ocorreram no interior do recinto do Boom Festival em Idanha-a-Nova, no âmbito do combate ao tráfico, entre outras, das chamadas drogas sintéticas ou drogas de desenho, habitualmente consumidas neste tipo de eventos", lê-se no comunicado da PJ.

A Operação Lua Cheia, que contou com a colaboração do Ministério Público de Castelo Branco, GNR e uma equipa do Laboratório de Polícia Cientifica da PJ, foi o culminar de uma investigação iniciada há três meses, com o objetivo de sinalizar e neutralizar a ação de pessoas que se deslocam a Portugal com o único propósito de comercializar substâncias proibidas.

"Os detidos, com idades compreendidas entre os 22 e os 48 anos, foram presentes a primeiro interrogatório judicial, tendo quatro sido sujeitos à medida de coação de prisão preventiva e um proibido de voltar a entrar no recinto do Boom Festival. Os restantes 18 aguardam ainda a decisão quanto às medidas de coação", lê-se na nota.

Além das detenções, foram apreendidas 900 doses de liamba, 1800 de haxixe, 3650 de MDMA, 75 de cocaína, 1100 de anfetaminas, 1216 pastilhas de ecstasy, 801 microsselos de LSD, 26 frascos de LSD em estado líquido, 40 gomas impregnadas com LSD, 216 gramas de cogumelos alucinogénios, 492 gramas de substâncias vegetais impregnadas com DMT, 130 gramas de quetamina, 77 gramas de ópio e 47 micropontos de mescalina.

A PJ e a GNR apreenderam ainda 11 balanças de precisão, diverso equipamento informático de som e imagem e cerca de 91 mil euros em numerário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.