Via do Infante cortada entre Loulé e Faro devido a despiste com 3 feridos

Acidente deu-se próximo do Túnel do Areeiro, no concelho de Loulé

A Via Infante de Sagres (A22) está esta segunda-feira cortada ao trânsito perto do nó de Loulé, no sentido Loulé-Faro, devido ao despiste de um carro que provocou três feridos, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

De acordo com o Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro, o alerta para o despiste de um veículo ligeiro foi dado às 11:45, tendo o acidente ocorrido perto do Túnel do Areeiro, no concelho de Loulé, distrito de Faro.

"Desconhece-se por enquanto a gravidade dos ferimentos das vítimas", indicou a fonte.

Segundo a fonte, nas operações de socorro estão envolvidos 19 operacionais dos bombeiros, Instituto Nacional de Emergência Médica, Cruz Vermelha Portuguesa e Guarda Nacional Republicana (GNR), apoiados por nove veículos.

Por seu turno, fonte da Unidade de Trânsito da GNR indicou que o trânsito na autoestrada que atravessa o Algarve, está "cortado nas duas faixas no sentido Loulé-Faro, devendo os automobilistas, como alternativa, sair no nó de Loulé e seguir pela Estrada Nacional 125 em direção a Faro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.