Turista dado como desaparecido no mar do norte da Madeira

Mar estava "um pouco picado". Desaparecido estava com outros dois turistas

Um turista encontra-se desaparecido no mar do norte da ilha da Madeira, em São Jorge, no concelho de Santana, confirmou esta sexta-feira o comandante da Zona Marítima do arquipélago, Silva Ribeiro.

"Confirmo haver um turista, cuja nacionalidade ainda não sabemos, nem a idade, que se encontra desaparecido depois de ter mergulhado na praia de calhau de São Jorge", disse, indicando que na altura o mar estava "um pouco picado".

O comandante adiantou que o desaparecido se encontrava acompanhado por outros dois turistas e que decidira mergulhar no mar do norte da ilha, mas não conseguiu voltar à terra devido à "levadia" [termo utilizado na Madeira para designar uma corrente forte].

Uma mota de água da Capitania do Porto do Funchal, uma embarcação do SANAS (Associação de Socorro a Náufragos) e o helicóptero da Força Aérea Portuguesa estão envolvidos na operação de busca.

"A operação vai decorrer até ao pôr do sol e, se o turista não for encontrado, serão retomadas amanhã [sábado] de manhã", disse.

O alerta foi dado pelas 14:00 por populares que terão avistado o banhista em dificuldade e, depois, deixaram de o ver. Os amigos que acompanhavam o turista que desapareceu também alertaram, entretanto, as autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.