Triatleta encontrado morto: PJ investiga homicídio e hipótese de crime passional

Polícia Judiciária está a seguir várias hipóteses que podem ter levado ao homicídio de Luís Grilo. Funeral é esta quinta-feira, em Cachoeiras

Depois de ter aparecido o corpo do triatleta Luís Grilo, o próximo passo é descobrir o que motivou a sua morte. A Polícia Judiciária (PJ) ainda está a seguir várias hipóteses. Fonte da PJ confirmou à Lusa que o triatleta terá sido morto "com a intervenção de terceiros", acrescentando que a investigação está em curso com vista a apurar as circunstâncias e o autor ou autores do homicídio.

O corpo de Luís Grilo, de 50 anos, residente na localidade das Cachoeiras, no concelho de Vila Franca de Xira, foi encontrado na manhã de sexta-feira, em adiantado estado de decomposição, no concelho de Avis, distrito de Portalegre, a mais de 130 quilómetros da sua casa.

Uma das hipóteses que começa a ganhar força é a de crime passional. A PJ está a ouvir as pessoas próximas do engenheiro informático, entre os quais o seu orientador técnico que disse, ao Jornal de Notícias, estranhar o treino que Luís Grilo fez na segunda-feira em que desapareceu. Uma vez que estaria numa fase pós-prova e não de preparação e que habitualmente não fazia treinos de bicicleta ao ar livre.

Luís Grilo, 50 anos, desapareceu a 16 de julho depois de ter saído de casa, para fazer um treino de bicicleta. O seu corpo foi encontrado na sexta-feira e a sua identidade confirmada no domingo. Estava nu, com um saco na cabeça, a 134 quilómetros de casa, mas a 20 km da casa dos sogros, em Alcórrego, Avis. O seu telemóvel foi encontrado nos Casais da Marmeleira, a seis quilómetros de casa, já no concelho de Alenquer.

O funeral de Luís Grilo está marcado para esta quinta-feira, às 15h30, em Cachoeiras, Vila Franca de Xira, a aldeia onde o atleta vivia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.