Açores. Tio e sobrinho encontrados com vida

Os dois homens tinham saído de casa na manhã de sábado para apanharem erva patinha

Dois homens, tio e sobrinho, que se encontravam desaparecidos desde sábado na costa da Ribeirinha, na ilha do Faial, Açores, foram resgatados este domingo por um helicóptero da Força Aérea, poucos minutos depois de terem sido retomadas as buscas.

Os dois tinham saído de casa na manhã de sábado para a apanha da erva patinha (uma espécie de alga utilizada na alimentação), mas a família só alertou para o desaparecimento ao final do dia.

A informação foi confirmada à agência Lusa pelo capitão do porto da Horta, Rafael da Silva, que adiantou que os dois homens foram avistados na costa norte (entre o farol da Ribeirinha e a ponta dos Cedros), por um helicóptero Merlin da Força Aérea, que se tinha juntado às operações de busca e salvamento ao início do dia.

"Não sabemos ainda, ao certo, o que se passou, porque ainda não tivemos oportunidade de falar com eles, mas sei que estão bem, embora apresentem sinais de hipotermia", explicou Rafael da Silva, satisfeito com o "final feliz" deste episódio.

Tio e sobrinho foram encaminhados, entretanto, de helicóptero, para o Hospital da Horta, para serem observados por um médico, mas estarão livres de perigo.

As buscas, feitas inicialmente apenas por mar e por terra, foram suspensas às 22:30 locais (mais uma hora em Lisboa), e retomadas esta manhã, por volta das 07:30, apesar das condições climatéricas adversas que se têm feito sentir no Grupo Central, com chuva, por vezes forte, e vento forte com rajadas até aos 70 km/h.

As autoridades vão agora tentar perceber as causas deste desaparecimento, mas é provável que os dois homens tenham ficado retidos na costa, que é de difícil acesso naquela zona da ilha, devido às condições climatéricas que se faziam sentir.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.