Portugal vai continuar a bater o dente. Tempo frio e seco até ao fim da próxima semana

O tempo frio e seco vai continuar em Portugal continental pelo menos até ao final da próxima semana. Todos os distritos do Continente estão esta sexta-feira com aviso amarelo.

A meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, Maria João Frada, adiantou à Lusa que pelo menos até dia 17 (quinta-feira) o tempo vai continuar seco, com céu pouco nublado ou limpo e um enfraquecimento do vento.

Maria João Frada indicou também que as temperaturas mínimas registadas esta sexta-feira não foram tão baixas como o esperado.

"Hoje as mínimas relativamente aos dias anteriores não desceram tanto como era expectável. Estava previsto o transporte de uma massa de ar com características árticas vindas do interior do continente europeu, mas o que o aconteceu foi que a massa ficou confinada a Espanha, ou seja, não entrou em Portugal continental", disse.

De acordo com a meteorologista, esta massa é ligeiramente mais quente, mas ainda assim poderá dar temperaturas muito baixas. "As temperaturas mais baixas situaram-se no interior norte e centro entre os -4 e os -2. No entanto, temos regiões do litoral em que as temperaturas são de zero graus junto a Leiria e em Lisboa de 5,6 graus. No interior do Alentejo com 0 e 1 graus", disse.

Indicou também que as máximas vão descer 2 a 4 graus hoje. "As temperaturas baixas e o vento, que vai soprar moderado, sendo forte nas terras altas com rajadas de 60 a 70 quilómetros por hora, vão dar uma sensação acrescida de frio", salientou.

Este cenário, segundo a meteorologista do IPMA, vai manter-se no fim de semana e na segunda e terça-feira o vento vai enfraquecer significativamente e prevê-se uma pequena subida dos valores da temperatura.

"Vamos ter ainda neblinas ou nevoeiros matinais em alguns locais, mas não está prevista precipitação", disse.

Todos os distritos de Portugal continental estão, até às 12:00 de sábado, sob aviso amarelo devido à persistência de valores baixos das temperaturas mínimas.

Ler mais

Exclusivos