Temperaturas máximas descem 7 a 8 graus. Alerta de chuva e trovoada para hoje

Possibilidade de ocorrência de aguaceiros, trovoada e queda de granizo para esta segunda-feira. Na terça está prevista descida acentuada da temperatura máxima

As temperaturas máximas vão descer na terça-feira 7 a 8 graus Celsius, mantendo-se contudo dentro dos valores habituais para a época do ano, disse à Lusa o meteorologista Ricardo Tavares.

De acordo com o meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a semana inicia-se esta segunda-feira com condições de instabilidade, com possibilidade de ocorrência de aguaceiros, trovoada e queda de granizo na região sul durante a manhã e nas regiões do Norte e Centro a probabilidade é maior durante a tarde.

"Prevê-se também para hoje uma subida da temperatura, em especial nas regiões do litoral e aqui poderá chegar aos 4/5 graus. As temperaturas vão ficar acima dos 30 graus em praticamente todo o território, aproximando-se dos 40 no interior do Alentejo, Vale do Tejo e da Beira Baixa", disse.

Por causa da instabilidade meteorológica, o IPMA colocou até às 15.00 desta segunda-feira sob aviso amarelo nos distritos de Beja e Faro por causa da probabilidade de ocorrência de chuva e trovoada.

Segundo Ricardo Tavares, na terça-feira o dia vai começar com bastante nebulosidade, mantendo-se as condições de instabilidade, mas em especial nas regiões do interior norte e centro.

"De referir que na terça-feira está prevista uma descida acentuada da temperatura máxima, sendo em alguns locais uma descida de 7/8 graus. Vamos ter máximas entre os 25 e os 30 graus, sendo um pouco acima no interior do Alentejo, Vale do Tejo e Beira Baixa, que estarão entre os 30 e os 35 graus", referiu.

O meteorologista salientou no entanto que mesmo com a descida as temperaturas vão ficar dentro dos valores normais para o mês de agosto.

"Assim, na terça-feira as temperaturas descem de forma acentuada, depois mantêm-se e na quinta-feira voltam a subir ligeiramente na ordem dos 2 a 4 graus", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.