Taxistas parados no Aeroporto de Lisboa em solidariedade com colegas espanhóis

Apenas 100 dos 300 veículos estacionados no local estão a transportar passageiros

Dezenas de taxistas estavam esta terça-feira, ao final da manhã, parados no Aeroporto de Lisboa, sem transportar passageiros, em solidariedade com os colegas espanhóis, em greve contra a proliferação de plataformas eletrónicas de transporte como a Uber e a Cabify.

O protesto pretende demonstrar solidariedade para com os taxistas de Espanha, a que se juntaram quatro carros e 10 motoristas que foram na segunda-feira de Portugal.

Os táxis que estavam parados à frente da fila no Aeroporto tinham duas faixas, onde estava escrito "fuerza hermanos" e "estamos con ustedes".

A fila de táxis estava parada, sem bloquear o trânsito, que estava a ser controlado por agentes da PSP.

"Nós só queremos passar o recado e a mensagem aos nossos governantes que nós não estamos a dormir e o que está a acontecer em Espanha pode acontecer em Portugal", disse António Ribeiro, um dos taxistas que deu a cara pelo protesto, realçado que este é um protesto "ordeiro, solidário de taxistas independentes" de sindicatos ou organizações representativas.

O mesmo taxista realçou que dos cerca de 300 taxistas que operam no Aeroporto apenas cerca de uma centena continua a fazer serviços, "uma espécie de serviços mínimos, para manter o transporte de passageiros, que poderá ser mais demorado".

Os taxistas de várias cidades espanholas juntaram-se ao protesto por tempo indeterminado iniciado na quinta-feira em Barcelona e Madrid, contra licenças para carros da Uber ou Cabify, cujos motoristas já denunciaram agressões.

O protesto intensificou-se após ter sido conhecida na sexta-feira uma decisão do Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC) que manteve suspenso o regulamento metropolitano que restringe a concessão daquelas licenças.

Os motoristas reivindicam mudanças legislativas que limitem a emissão de licenças para carros dessas empresas.

Apesar de ter sido convocado de forma espontânea, o protesto dos taxistas madrilenos recolheu o apoio da Federação Profissional do Táxi de Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.