PSP captura suspeito de raptar e violar menina de 7 anos no Seixal

O homem, de 39 anos, já foi entregue à Polícia Judiciária, que conduz a investigação. Esta tarde estava a ser interrogado pelos inspetores da Unidade Nacional de Contraterrorismo, na sede desta polícia

O suspeito de raptar e violar uma criança de sete anos no Seixal, no sábado passado, foi capturado. Um residente avistou o homem e avisou a PSP que enviou logo ao local uma equipa de intervenção rápida. O suspeito estava junto à Quinta da Princesa, no Seixal, perto de um supermercado. Não ofereceu resistência, segundo confirmou ao DN fonte policial.

"Recebemos a comunicação para a esquadra da Cruz de Pau de um cidadão que teria visualizado o suspeito, cerca das 09:40. Fomos para o local e, a cerca de 500 metros do sítio que nos tinham indicado, localizámos o suspeito, pedimos a sua identificação e confirmámos que era o indivíduo", explicou a comissária da PSP de Setúbal, comissária Viola.

O suspeito ficou detido na esquadra da PSP da Cruz de Pau mas ao final da manhã foi entregue à Polícia Judiciária (PJ), que está a conduzir a investigação, uma vez que os crimes em causa - rapto e violação - são da sua competência. Esta tarde estava a ser interrogado pelos inspetores da Unidade Nacional de Contraterrorismo, na sede desta polícia

Fonte da PSP disse ao DN que a detenção tinha sido comunicada já ao Ministério Público (MP) e que era este que iria indicar para onde levar o homem. Na base de dados desta força de segurança não há registos nem antecedentes criminais do suspeito, segundo a mesma fonte.

A criança estava a brincar num parque infantil com dois primos mais velhos, de 8 e 9 anos, no sábado, quando foi levada. Foi encontrada por um popular na madrugada de domingo, cerca das cinco da manhã. Na altura foi entregue à PSP e levada ao hospital para fazer exames médicos que confirmaram que tinha sofrido a violação.

De acordo com fonte que está a acompanhar a investigação, o suspeito já tinha abordado há duas semanas outra menina na mesma zona, mas foi apanhado a tempo por residentes, tendo até sido agredido por familiares da criança. No entanto, nenhuma queixa chegou à polícia na altura.

Foi, porém, este incidente de há duas semanas que permitiu à PJ conseguir identificar o suspeito. As descrições destas pessoas coincidiram com as da menina e dos seus primos. Em poucas horas os inspetores da PJ tinham chegado à fala com familiares do homem e obtido uma fotografia que foi distribuída pelos investigadores e pelos agentes da PSP que integraram as equipas de captura.

O homem, de 39 anos, será amanhã, quarta-feira, presente a um juiz de instrução criminal do Seixal.

(Atualizada às 18:25)

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.