Sismo de magnitude 3.5 sentido no Norte de Portugal

Abalo teve o epicentro em Melgaço. Segundo o IPMA, "não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima IV (escala de Mercalli modificada) nas regiões de Melgaço, Braga e Viana do Castelo"

Um sismo de magnitude 3,5 na escala de Richter, com epicentro a cerca de 4 quilómetros a Este-Sudeste de Melgaço, no distrito de Viana do Castelo, terá sido sentido em várias localidades do norte de Portugal Continental e na Galiza.

O abalo ocorreu às 19.55, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Num primeiro momento, foi identificado como tendo tido uma magnitude de 3.4, sendo depois revisto para 3.5 pelo IPMA.

"Este sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima IV (escala de Mercalli modificada) nas regiões de Melgaço, Braga e Viana do Castelo", segundo o IPMA.

Nas redes sociais, em resposta à pergunta do IPMA sobre se alguém tinha sentido o sismo, há respostas positivas de Vila Verde, Fafe e Braga.

O abalo, cujo epicentro foi próximo da fronteira, sentiu-se também no sul da Galiza, nomeadamente na comarca do Condado, segundo o jornal galego Faro de Vigo .

As autoridades espanholas dizem que o abalo foi de 3.8 na escala de Richter.

De acordo com os dados do IPMA, o sismo de Melgaço foi o quarto em Portugal Continental nas últimas 24 horas. Houve um de 2.8 próximo de Alcoutim, no Algarve, às 23.11 de sexta-feira; outro de 2.1 a nordeste de Arraiolos, no Alentejo, às 12.42; e um terceiro de magnitude 1.2 ao largo do Cabo de São Vicente, no Algarve, às 13.42. Nenhum deles terá sido sentido.

Segundo o IPMA, o último sismo que tinha sido sentido em Portugal Continental foi o de dia 10, com epicentro a cerca de 8 km a Oeste de Torre de Moncorvo. Teve uma magnitude de 2,4 na escala de Richter. Foi sentido com intensidade máxima III (escala de Mercalli modificada) na localidade de Torre de Moncorvo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.