Sismo de 2,5 na escala de Richter sentido perto de Torre de Moncorvo

O IPMA já tinha registado na sexta-feira um sismo de 2,9 na escala de Richter no concelho de Torre de Moncorvo

Um sismo de magnitude 2,5 na escala de Richter registado às 00:08 de hoje perto de Torre de Moncorvo, Bragança, foi sentido, mas não causou vítimas ou danos, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

O epicentro do sismo, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), localizou-se a cerca de seis quilómetros a este do concelho de Torre de Moncorvo, no distrito de Bragança.

O sismo não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima III na escala de Mercalli modificada na região de Torre de Moncorvo.

O IPMA já tinha registado na sexta-feira um sismo de 2,9 na escala de Richter no concelho de Torre de Moncorvo.

Este abalo foi registado nas estações da Rede Sísmica do continente às 20:43 de sexta-feira com epicentro a cerca de 10 quilómetros de Torre de Moncorvo.

Tal como o de hoje, o sismo de sexta-feira foi sentido com intensidade máxima III na escala de Mercalli naquela região, mas também não causou danos pessoais ou materiais.

Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequeno (2,0-2,9), pequeno (3,0-3,9), ligeiro (4,0-4,9), moderado (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grande (7,0-7,9), importante (8,0-8,9), excecional (9,0-9,9) e extremo (superior a 10).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.