Sintra interdita acesso na arriba da Praia Grande devido a ameaça de queda de bloco

A decisão surge após uma vistoria conjunta da Câmara de Sintra, Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e capitania do porto de Cascais.

A escadaria junto às pegadas de dinossauros da Praia Grande vai ser interditada, face à ameaça da queda de um bloco da vertente, segundo um despacho do presidente da Câmara de Sintra, a que a Lusa teve acesso.

"Apesar de as conclusões preliminarmente disponibilizadas pelos serviços não apontarem para um risco imediato de pessoas e bens, importa acautelar a adoção de todas as medidas preventivas que a situação material reclama", considerou Basílio Horta (PS), num despacho datado de quarta-feira.

A decisão surge após uma vistoria conjunta da Câmara de Sintra, Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e capitania do porto de Cascais, em 21 de novembro, para avaliar as condições de acesso e visitação às pegadas de dinossauros na arriba com acesso pelo lado de Almoçageme.

O autarca determinou "o imediato encerramento da arriba sul da Praia Grande do Rodízio", devendo "os serviços municipais adotar de imediato as necessárias medidas de execução" do despacho.

A vistoria realizou-se na sequência de um alerta do geólogo António Galopim de Carvalho, depois de ter visitado com alunos e professores da Escola Básica da Sarrazola (Colares) a jazida de pegadas de dinossauros.

"Fizeram uma escadaria nova e, em frente a umas pegadas, há um patamar, onde as pessoas param para ver, mas na escarpa está um pedaço de camada que já está solto, com ar de estar desprendido do resto, que com uma chuvada forte pode cair", descreveu à Lusa o professor jubilado pela Universidade de Lisboa.

Perante o alerta do antigo diretor do Museu Nacional de História Natural (Lisboa), o serviço municipal de Proteção Civil verificou não haver razões "para cortar o acesso", mas foi anunciada uma "avaliação geológica do estratificado com caráter de urgência".

O presidente da câmara, em resultado da vistoria, explicou que foi ponderada a "possibilidade do acesso ser temporariamente encerrado caso se detete agravamento das condições de estabilidade do bloco ou de outra área, e caso se verifique a ocorrência de pico de precipitação contínuo no tempo".

A chuva prolongada "poderá eventualmente contribuir para incrementar o potencial de instabilidade (mecanismo desencadeante externo) ao longo do acesso", acrescentou o autarca.

Basílio Horta salientou que, na qualidade de autoridade municipal de Proteção Civil, deve "intervir com celeridade para proteção de pessoas e bens", designadamente "na iminência de acidente grave ou catástrofe" e situações sem essa dimensão que exijam ações "de prevenção".

Do despacho a determinar o encerramento do acesso será dado conhecimento à câmara, APA e capitania de Cascais.

A decisão preventiva vai além do relatório da vistoria, que não encontrou fundamento para o encerramento "por falta de segurança", notando que "o risco existente está bem identificado na sinalização" existente no local.

"É possível melhorar a segurança local sem pôr em causa o vestígio icnofóssil. Uma intervenção pontual pode ser realizada", concluiu ainda o documento, referindo que o projeto "se enquadra bem com as competências" da APA, com experiência nestas intervenções.

O parecer técnico esclareceu que a autarquia foi alertada, em 2006, para "um potencial foco de instabilidade" no local e que o resultado dos trabalhos realizados "não foi o esperado, uma vez que não foi possível remover na íntegra a rocha em situação de equilíbrio precário".

No entanto, o técnico relatou que "foi possível minorar os efeitos da perigosidade latente na vertente devido à remoção de uma massa considerável de rocha".

A reconstrução da escada e montagem de uma vedação, em 2014, permitiu reabrir o percurso, apesar de "conhecido o risco real" que incide sobre o acesso, "num local de elevada dinâmica ambiental e a natureza geológica da vertente apresenta débeis condições geotécnicas e geomecânicas das suas rochas".

António Galopim de Carvalho alertou para o risco de queda da rocha no blogue de divulgação científica "De Rerum Natura (Sobre a Natureza das Coisas)".

O geólogo, que liderou o movimento para preservação das pegadas de dinossauros de Carenque, em Belas (Sintra), defendeu, em declarações à Lusa, uma avaliação pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e a necessidade de preservar o topo da arriba.

A jazida de pegadas de dinossauros da Praia Grande do Rodízio data do período Cretácico, composta por marcas de animais herbívoros e carnívoros registadas numa camada de calcário, que ali passaram há cerca de 120 milhões de anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.