Sindicatos dos enfermeiros anunciam hoje novas formas de luta

Após o anúncio das medidas, representantes das seis estruturas sindicais reúnem-se com a bastonária da Ordem dos Enfermeiros sobre as negociações da carreira

Todos os sindicatos de enfermagem reúnem-se hoje para concertar novas formas de luta que prometem anunciar no mesmo dia em conferência de imprensa, na sede da UGT, em Lisboa.

Numa nota à comunicação social, seis sindicatos justificam o anúncio de "formas de luta" com o argumento de que o Ministério da Saúde "não cumpre compromisso, não envia contraproposta de carreira de enfermagem".

Segundo os sindicatos, o prazo para o envio dessa contraproposta terminou em 15 de agosto.

A reunião entre os sindicatos, que seria para analisar a contraproposta do Governo, servirá para concertar as novas formas de luta a anunciar em conferência de imprensa após a reunião, disse à Lusa Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), remetendo mais pormenores para a conferência de imprensa.

No início do mês, o presidente do SEP, José Carlos Martins, admitiu à Lusa novas greves e manifestações caso falhassem as negociações com o Governo.

Além do SEP, convocaram a conferência de imprensa o Sindicato dos Enfermeiros, o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem, o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal, a Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros e o Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira.

Após a conferência de imprensa, representantes das seis estruturas reúnem-se com a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, sobre as negociações da carreira.

À Lusa, a bastonária disse que a Ordem "apoia as formas de luta que forem legais e legítimas", lembrando a necessidade da definição da "estrutura de carreira" de enfermagem, uma profissão de "desgaste físico, psíquico e emocional rápido".

Bruno Reis, porta-voz do Movimento dos Enfermeiros Especialistas, que não participa nas negociações, assinalou que se chegou a um "ponto de rutura".

"Os enfermeiros estão cansados, sentem-se gozados pelo poder político, têm direito a uma profissão digna e valorizada", afirmou à Lusa, queixando-se das "sucessivas reuniões", que, enfatizou, se perpetuam há mais de um ano.

Bruno Reis contou casos de enfermeiros que desistiram da profissão e "abriram um negócio próprio" na área da restauração.

José Correia Azevedo, presidente da Fense - Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermagem (que agrega o Sindicato dos Enfermeiros e o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem) chama 'calvário' à negociação da carreira.

A Fense, que volta a reunir-se hoje com a comissão negocial do Ministério da Saúde, esteve na origem da greve geral de 13 a 17 de agosto, por causa do "impasse na negociação" do acordo coletivo de trabalho. Os enfermeiros pretendem que seja criada uma carreira especial de enfermagem, que integre a categoria de enfermeiro especialista, e exigem o descongelamento da carreira.

Este mês têm decorrido greves regionais em várias unidades de saúde em defesa da progressão da carreira, mas convocadas pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses. Para hoje estão marcadas paralisações no Centro Hospitalar Cova da Beira e no Hospital Distrital da Figueira da Foz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.