Sindicato Profissionais da Polícia indignado com arquivamento de caso sobre agressões a polícias

Após a notícia do DN, o sindicato quer uma reunião urgente com a procuradora-geral da República e com todas as instituições envolvidas

O Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP/PSP) está indignado com o arquivamento pelo Ministério Público de um processo sobre injúrias e agressões contra polícias da Divisão da Amadora, que foi noticiado esta terça-feira pelo DN. O sindicato quer uma reunião com a procuradora-geral da República.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, o SPP diz-se chocado com o facto de um procurador do Ministério Público ter considerado que "injuriar e agredir polícias não é crime" e que a decisão de arquivar o processo "abre a porta para o desrespeito às forças de autoridade" com "proporções ainda mais graves do que as já existentes.

O DN deu conta do despacho de arquivamento de um caso que envolveu dois homens alcoolizados e que causaram distúrbios na Amadora e agrediram verbal e fisicamente um polícia.

O despacho, datado de janeiro, a magistrada do MP escreveu que desferir um murro num polícia pode ser uma forma de "defesa da força física exercida pelo agente policial", determinando o arquivamento de uma queixa de agressões contra agentes da PSP.

Os dois homens estavam indiciados por crimes de injúria agravada e de ofensa à integridade física qualificada.

Murro foi considerado uma defesa contra a força física do agente

Um dos indivíduos "chegou a verbalizar a expressão 'filho da puta'" para um agente que o estava a agarrar.

As agressões verbais foram classificadas pela procuradora como "palavras só por si e no exato contexto factual em que foram proferidas, não têm o 'animus' de ofender quem quer que seja, funcionando antes como um 'grito de revolta', uma manifestação de exaltação e indignação".

Quanto ao murro no peito sofrido pelo polícia, a magistrada entendeu que "atentas às circunstâncias concretas em que o arguido desferiu o murro, fê-lo num contexto em que se queria defender da própria força física exercida pelo agente policial e não com o intuito de lesar o corpo e/ou a saúde deste".

Sindicato pede reunião urgente com procuradora-geral da República

Perante a notícia do DN, o SPP quer uma reunião urgente com a procuradora-geral da República e com todas as instituições envolvidas, "no sentido de se definirem regras de atuação das autoridades policiais face a potenciais e evidentes agressores".

Para o sindicato, a decisão de arquivar o processo faz com que esteja desrespeitada a autoridade do Estado e aprovada a desconsideração de todas as forças de segurança, fomentando-se o constrangimento em futuras intervenções e colocando-se em causa a própria segurança do país".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.