Sindicato fala em motoristas detidos. GNR diz que foram só identificados

Representante sindical afirma que dois motoristas foram levados pelas autoridades de suas casas até à empresa de camionagem para fazer o serviço. Guarda afirma que houve apenas quatro trabalhadores notificados de que a sua "não comparência no local de trabalho constituía a prática do crime de desobediência".

Dois motoristas foram esta tarde detidos pela GNR em suas casas na zona de Lisboa e foram escoltados, detidos, para a empresa de transportes em que trabalham, em Aveiras de Cima para realizar os serviços decretados pelo governo, declarou aos jornalistas o porta-voz do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, Pardal Henriques. A GNR diz que foram quatro trabalhadores notificados e que não há nenhum detido.

"Foram detidos em casa para virem às instalações da empresa, senão seriam levados para a esquadra. Vieram falar com a empresa", afirmou este responsável sindical, em Aveiras de Cima.

Em causa, prosseguiu, está o facto de estes profissionais se recusarem a trabalhar. "Imaginem o risco que estas pessoas vão correr, alguém que é detido em casa porque é obrigado a trabalhar simplesmente porque está a exercer um direito perfeitamente legítimo à greve e porque se recusou a trabalhar", declarou Pardal Henriques.

A GNR esclareceu que foram apenas "quatro trabalhadores notificados de que a sua não comparência no local de trabalho constituía a prática do crime de desobediência". Diz ainda que os motoristas visados "decidiram voluntariamente cumprir o serviço para o qual estavam nomeados", pelo que "não se encontra nenhum trabalhador detido".

Aníbal Cartaxo, um dos motoristas que foi obrigado a trabalhar, disse, no entanto, que se não viesse fazer a escala, para que estava indicado, seria detido.

"Se não viesse trabalhar ficava detido, ia preso", contou aos jornalistas, à saída de uma empresa de camiões-cisterna, dizendo que foi apenas identificado.

Os motoristas que se recusem a cumprir a requisição civil decretada pelo governo incorrem em crime de desobediência.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.