Jovem de 22 anos morto em rixa na Doca de Santo Amaro

Desacatos começaram no interior do bar Marine fizeram mais dois feridos. Suspeitos fugiram a perseguição policial

Um jovem de 22 anos morreu na madrugada desta sexta-feira, na sequência de um confronto entre grupos na Doca de Santo Amaro, em Lisboa.

Segundo confirmou ao DN a subcomissária Ana Carvalho, do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, o incidente ocorreu perto das 5.30 da madrugada, após desacatos que começaram no interior do bar Marine e se prolongaram no exterior, onde terão ocorrido os ferimentos.

Além da vítima mortal, um homem de 22 anos esfaqueado no abdomen que ainda foi transportado com vida para o Hospital de São José mas não resistiu aos ferimentos graves, os desacatos provocaram ainda outros dois feridos ligeiros, que não necessitaram de assistência hospitalar.

De acordo com informações prestadas ao DN pela PSP, "a equipa de investigação criminal ainda perseguiu a viatura onde seguiam os suspeitos, cujo número se desconhece, mas não conseguiu intercetá-la devido à condução perigosa que colocou em risco outras viaturas e não permitiu continuar a ação".

Como este caso resultou num morto, a investigação passou para cargo da Polícia Judiciária.

Segundo a TVI, alguns dos seguranças do bar Marine estão a ser ouvidos pelas autoridades, no sentido de identificar os agressores e apurar o que esteve na origem deste incidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.