PSP treina confrontos violentos com claques. Vídeo mostra simulação

As estações da CP e do metro do Rossio, Sintra, Reboleira e Colégio Militar foram palco de um mega exercício, liderado pela PSP, se simulação de violência urbana, incluindo confrontos com claques desportivas. Presentes 44 forças de segurança internacionais

A PSP liderou um mega exercício internacional para treinar situações de violência urbana, incluindo confrontos com claques de futebol. Num vídeo que esta força de segurança disponibilizou é notória a grande dimensão do treino, que teve como palco as estações da CP e do Metro no Rossio, Sintra, Reboleira e Colégio Militar.

Os grupos organizados de adeptos estão na lista de prioridades da PSP e com este treino pretende-se demonstrar a capacidade contra possíveis conflitos.

No papel de "maus" estiveram, como se vê nas imagens, uns muito empenhados 200 alunos da Escola Prática de Polícia, que vieram propositadamente de Torres Vedras para protagonizar alguns momentos de ficção, que, no futuro, se podem tornar realidade. "Esta formação prática", diz fonte oficial da PSP, "pode ser muito útil no futuro com contextos de intervenções mais complexas por parte das forças de segurança".

A primeira parte do treino começou no parque de estacionamento da CP, em Algueirão - Sintra. Os polícias defrontaram-se com vários cenários de alteração de ordem pública, com intervenção das equipas operacionais. De seguida, foi simulada uma operação policial de acompanhamento de um claque, numa deslocação através dos transportes ferroviários, fazendo o trajeto Rossio - Reboleira - Colégio Militar e simulando diversos incidentes e ações táticas de revista, interceção e detenção de suspeitos.

Este exercício foi organizado no âmbito da RAILPOL uma rede europeia que junta polícias com competências nas áreas ferroviárias e decorreu entre dia quatro e esta quinta-feira. Do estrangeiro viram equipas das Unidades de Intervención Policial do Cuerpo Nacional de Polícia de Espanha, da Polícia Federal Alemã (Bundespolizei), da Polícia Holandesa (Korps Nationale Politie), da Polícia Belga e da Polícia Suíça. Um total de 44 polícias internacionais em funções operacionais e 23 observadores internacionais.

Da parte portuguesa estiveram no terreno operacionais Corpo de Intervenção da Unidade Especial de Polícia da PSP e uma equipa do Grupo de Intervenção de Ordem Pública da Guarda Nacional Republicana. Segundo a PSP este exercício "foi o maior realizado até hoje pela RAILPOL, tendo sido elogiado pelas autoridades europeias, considerando o realismo dos cenários práticos e o facto de no último dia se ter realizado uma componente de treino dinâmico em cenário real nas linhas de Sintra e rede do metropolitano de Lisboa sem perturbação da normal circulação de passageiros nos comboios e estações".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.