PSP treina confrontos violentos com claques. Vídeo mostra simulação

As estações da CP e do metro do Rossio, Sintra, Reboleira e Colégio Militar foram palco de um mega exercício, liderado pela PSP, se simulação de violência urbana, incluindo confrontos com claques desportivas. Presentes 44 forças de segurança internacionais

A PSP liderou um mega exercício internacional para treinar situações de violência urbana, incluindo confrontos com claques de futebol. Num vídeo que esta força de segurança disponibilizou é notória a grande dimensão do treino, que teve como palco as estações da CP e do Metro no Rossio, Sintra, Reboleira e Colégio Militar.

Os grupos organizados de adeptos estão na lista de prioridades da PSP e com este treino pretende-se demonstrar a capacidade contra possíveis conflitos.

No papel de "maus" estiveram, como se vê nas imagens, uns muito empenhados 200 alunos da Escola Prática de Polícia, que vieram propositadamente de Torres Vedras para protagonizar alguns momentos de ficção, que, no futuro, se podem tornar realidade. "Esta formação prática", diz fonte oficial da PSP, "pode ser muito útil no futuro com contextos de intervenções mais complexas por parte das forças de segurança".

A primeira parte do treino começou no parque de estacionamento da CP, em Algueirão - Sintra. Os polícias defrontaram-se com vários cenários de alteração de ordem pública, com intervenção das equipas operacionais. De seguida, foi simulada uma operação policial de acompanhamento de um claque, numa deslocação através dos transportes ferroviários, fazendo o trajeto Rossio - Reboleira - Colégio Militar e simulando diversos incidentes e ações táticas de revista, interceção e detenção de suspeitos.

Este exercício foi organizado no âmbito da RAILPOL uma rede europeia que junta polícias com competências nas áreas ferroviárias e decorreu entre dia quatro e esta quinta-feira. Do estrangeiro viram equipas das Unidades de Intervención Policial do Cuerpo Nacional de Polícia de Espanha, da Polícia Federal Alemã (Bundespolizei), da Polícia Holandesa (Korps Nationale Politie), da Polícia Belga e da Polícia Suíça. Um total de 44 polícias internacionais em funções operacionais e 23 observadores internacionais.

Da parte portuguesa estiveram no terreno operacionais Corpo de Intervenção da Unidade Especial de Polícia da PSP e uma equipa do Grupo de Intervenção de Ordem Pública da Guarda Nacional Republicana. Segundo a PSP este exercício "foi o maior realizado até hoje pela RAILPOL, tendo sido elogiado pelas autoridades europeias, considerando o realismo dos cenários práticos e o facto de no último dia se ter realizado uma componente de treino dinâmico em cenário real nas linhas de Sintra e rede do metropolitano de Lisboa sem perturbação da normal circulação de passageiros nos comboios e estações".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.