PSP treina confrontos violentos com claques. Vídeo mostra simulação

As estações da CP e do metro do Rossio, Sintra, Reboleira e Colégio Militar foram palco de um mega exercício, liderado pela PSP, se simulação de violência urbana, incluindo confrontos com claques desportivas. Presentes 44 forças de segurança internacionais

A PSP liderou um mega exercício internacional para treinar situações de violência urbana, incluindo confrontos com claques de futebol. Num vídeo que esta força de segurança disponibilizou é notória a grande dimensão do treino, que teve como palco as estações da CP e do Metro no Rossio, Sintra, Reboleira e Colégio Militar.

Os grupos organizados de adeptos estão na lista de prioridades da PSP e com este treino pretende-se demonstrar a capacidade contra possíveis conflitos.

No papel de "maus" estiveram, como se vê nas imagens, uns muito empenhados 200 alunos da Escola Prática de Polícia, que vieram propositadamente de Torres Vedras para protagonizar alguns momentos de ficção, que, no futuro, se podem tornar realidade. "Esta formação prática", diz fonte oficial da PSP, "pode ser muito útil no futuro com contextos de intervenções mais complexas por parte das forças de segurança".

A primeira parte do treino começou no parque de estacionamento da CP, em Algueirão - Sintra. Os polícias defrontaram-se com vários cenários de alteração de ordem pública, com intervenção das equipas operacionais. De seguida, foi simulada uma operação policial de acompanhamento de um claque, numa deslocação através dos transportes ferroviários, fazendo o trajeto Rossio - Reboleira - Colégio Militar e simulando diversos incidentes e ações táticas de revista, interceção e detenção de suspeitos.

Este exercício foi organizado no âmbito da RAILPOL uma rede europeia que junta polícias com competências nas áreas ferroviárias e decorreu entre dia quatro e esta quinta-feira. Do estrangeiro viram equipas das Unidades de Intervención Policial do Cuerpo Nacional de Polícia de Espanha, da Polícia Federal Alemã (Bundespolizei), da Polícia Holandesa (Korps Nationale Politie), da Polícia Belga e da Polícia Suíça. Um total de 44 polícias internacionais em funções operacionais e 23 observadores internacionais.

Da parte portuguesa estiveram no terreno operacionais Corpo de Intervenção da Unidade Especial de Polícia da PSP e uma equipa do Grupo de Intervenção de Ordem Pública da Guarda Nacional Republicana. Segundo a PSP este exercício "foi o maior realizado até hoje pela RAILPOL, tendo sido elogiado pelas autoridades europeias, considerando o realismo dos cenários práticos e o facto de no último dia se ter realizado uma componente de treino dinâmico em cenário real nas linhas de Sintra e rede do metropolitano de Lisboa sem perturbação da normal circulação de passageiros nos comboios e estações".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.