Acabou o cerco em Ovar. PSP já prendeu o suspeito

Autoridades usaram gás lacrimogéneo para obrigar o homem a sair da autocaravana onde estava refugiado

Um homem que se refugiu hoje no interior de uma autocaravana em Ovar após agredir a companheira, fugir às autoridades e abalroar duas viaturas policiais, ferindo um agente, foi detido pela PSP, disse fonte desta força policial.

A PSP usou gás lacrimogéneo para obrigar o homem a sair da autocaravana onde estava refugiado desde o início da manhã.

O homem, de 28 anos, ficou sob custódia policial pelas 13:00.

A ação policial envolveu uma equipa de negociadores, elementos do Grupo de Operações Especiais da PSP e da Unidade Especial de Polícia.

Incidente começou com um episódio de violência doméstica

Tudo começou ao início da manhã, depois de os agentes da esquadra de Ovar terem sido alertados para uma situação de alegada agressão no parque de estacionamento do centro comercial Dolce Vita Ovar, onde, segundo revelou fonte policial, "uma senhora tinha sido agredida pelo companheiro e acabou estendida no chão".

O alegado agressor ter-se-á então posto em fuga numa autocaravana, colidindo com duas viaturas policiais, deixando-as "muito danificadas" e provocando ferimentos a um dos agentes no interior de um dos veículos.

"Esse agente foi conduzido para o Hospital São Sebastião, na Feira, mas está bem, apenas com ferimentos ligeiros", revela o comando distrital da PSP.

Quanto ao agressor, acabou por parar a autocaravana na Rua Abel Salazar, mas recusou-se a sair da viatura, pelo que a polícia prolongou a sua permanência no local na tentativa de o convencer a deixar o carro voluntariamente.

"Na autocaravana tem pelo menos duas catanas visíveis", revelou a PSP, numa informação dada a meio da manhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.