PSP apreende cerca de 100 mil doses de heroína e cocaína em Lisboa e Faro

Sete pessoas foram detidas

A Polícia de Segurança Pública (PSP) anunciou esta segunda-feira a detenção de sete pessoas por suspeitas de tráfico de droga, em Lisboa e Faro, numa operação em que apreendeu cerca de 100 mil doses de heroína e cocaína.

Os sete detidos ficaram em prisão preventiva

Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP refere que foram detidos cinco homens e duas mulheres, entre os 25 e 49 anos, que se dedicavam "à venda de produto estupefaciente", nomeadamente heroína e cocaína, "abastecendo a área metropolitana de Lisboa e a região sul do país".

A investigação decorria "há cerca de dois anos" e alguns dos suspeitos já têm "antecedentes criminais pela prática do mesmo crime"

Os sete detidos foram presentes a primeiro interrogatório no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa e ficaram em prisão preventiva, a medida de coação mais gravosa.

Segundo a PSP, a investigação decorria "há cerca de dois anos" e alguns dos suspeitos já têm "antecedentes criminais pela prática do mesmo crime".

Além de 61.290 doses de heroína, a polícia também apreendeu 37.200 doses de cocaína, 6.240 doses de 'ecstasy', 1.707,75 gramas de um "produto indeterminado", mais de 13 mil euros em dinheiro, balanças de precisão e outro material alegadamente utilizado na adulteração, preparação e acondicionamento de produto estupefaciente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.