PSD quer ouvir reguladores de transportes sobre CP no parlamento

A bancada parlamentar do PSD apresentou hoje um requerimento na Assembleia da República para ouvir os presidentes Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) e Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) sobre a "falência operacional" da CP.

"No sentido de melhor esclarecer e avaliar os factos que parecem apontar para a falência operacional da CP, os deputados do grupo parlamentar do PSD agradecem as diligências necessárias para ouvir nesta comissão, os presidentes das entidades reguladoras, AMT e IMT", lê-se no documento enviado à Comissão Parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas.

"Enquanto o Governo vai anunciando periodicamente desde fevereiro de 2016, o investimento de milhares de milhões de euros na ferrovia, e se vangloria mesmo do ineditismo em Portugal dessa futura construção de vários quilómetros de ferrovia nova em Portugal, esperando com isso merecer a simpatia dos portugueses, a verdade nua e crua é contudo difundida quase diariamente através da imprensa", criticam os deputados sociais-democratas.

O grupo parlamentar do PSD cita ainda a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) para sublinhar que, "em 2018, no final do primeiro semestre, a CP tinha utilizado apenas cerca de 10% da verba disponível para investimento e que, já em 2017, tinha aplicado apenas 27% da verba que lhe estava atribuída".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.