Proteção Civil dos Açores alerta para agravamento do tempo

O ciclone "Helene", que já foi um furacão de categoria 2, está agora classificado como tempestade tropical, devendo tornar-se nas próximas 48 horas num ciclone extratropical, diz o IPMA

A Proteção Civil dos Açores emitiu esta sexta-feira de manhã um comunicado a aconselhar a população a tomar medidas de autoproteção tendo em conta o agravamento do estado do tempo no arquipélago, devido à tempestade tropical "Helene".

O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) desaconselha, nas horas abrangidas pelos avisos meteorológicos, a circulação automóvel sem necessidade, pela possibilidade se se formarem lençóis de água devido às previsões de chuva forte.

Em locais não pavimentados, as águas podem causar erosão dos solos, levando à queda de muros, taludes, postes, entre outros, alerta a Proteção Civil, que pede ainda à população que consolide telhados, portas e janelas e guarde os objetos soltos do jardim, já que podem ser projetados pelo vento forte.

O SRPCBA aconselha o reforço das amarrações das embarcações ou a colocação em local seguro, e especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas.

As autoridades desaconselham ainda a prática de atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos ou passeios à beira-mar.

O ciclone "Helene", que já foi um furacão de categoria 2, está agora classificado como tempestade tropical, devendo tornar-se nas próximas 48 horas num ciclone extratropical, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Na mais recente atualização enviada às redações, esta manhã, o IPMA explica que "o ciclone 'Helene' está a deslocar-se para norte a 37 quilómetros por hora, com uma previsão da trajetória a indicar que deverá atravessar o arquipélago entre os grupos Ocidental (Flores e Corvo) e Central (Terceira, São Jorge, Pico, Graciosa e Faial)".

Prevê-se que às 18:00 dos Açores (mais uma hora em Lisboa) se encontre a aproximadamente 28 quilómetros a leste da ilha das Flores.

"Espera-se que, nas próximas 48 horas e coincidindo com a passagem pelo arquipélago, ocorra a transição para ciclone extratropical", refere o IPMA.

É muito provável (probabilidade entre 60% e 90%) que as ilhas dos grupos Ocidental e Central comecem a sofrer os efeitos desta tempestade (com aumento gradual da intensidade do vento e agitação marítima e ocorrência de precipitação pontualmente forte) a partir das 06:00 (hora dos Açores) de sábado.

O mau tempo deverá estender-se gradualmente às ilhas do grupo Central, prevendo-se que entre as 12:00 de sábado e as 09:00 de domingo ocorra precipitação intensa, o vento sopre do quadrante sul forte a muito forte, com rajadas até 120 quilómetros por hora, e as ondas atinjam os oito metros de altura significativa de sul, indica o IPMA.

Quanto às ilhas do grupo Oriental (São Miguel e Santa Maria), prevê-se que ocorram precipitação temporariamente forte e rajadas que poderão atingir os 85 quilómetros por hora.

O IPMA já emitiu aviso vermelho para o grupo Ocidental, devido à chuva, que poderá ser forte entre as 12:00 e as 24:00 de sábado.

As duas ilhas do grupo Ocidental vão estar ainda este fim de semana sob aviso amarelo e laranja por causa da chuva, e também laranja devido às previsões de vento forte e agitação marítima.

Para o grupo Central vão vigorar avisos laranja e amarelo tendo em conta as previsões de vento, chuva e agitação marítima.

No grupo Oriental vai vigorar durante o fim de semana o aviso amarelo referente a precipitação e vento.

O aviso vermelho é o mais elevado dos avisos meteorológicos e representa uma situação meteorológica de risco extremo.

O laranja é o segundo mais grave de uma escala de quatro e indica situação meteorológica de risco moderado a elevado.

O aviso amarelo, o terceiro mais grave, representa uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."