Professor acusado de mais de 500 crimes de abuso sexual começa a ser julgado em Beja

Cinco alunas terão sido vítimas dos alegados abusos, a partir do ano letivo de 2015/2016 e durante três anos letivos

O Tribunal de Beja começou esta segunda-feira a julgar um professor, de 48 anos, de uma escola básica no distrito que está acusado de mais de 500 crimes de abuso sexual de cinco alunas.

Na primeira sessão do julgamento, que decorre à porta fechada, foi lida a acusação do Ministério Público (MP) e ouvidas as mães das vítimas, que são assistentes no processo, tendo o arguido recusado prestar declarações.

O homem, detido no dia 22 de novembro de 2017 e que se encontra em prisão preventiva, está acusado de um total de 536 crimes, dos quais 534 são de abuso sexual de crianças, um é por posse de pornografia infantil e o outro por maus-tratos.

Fontes ligadas ao processo indicaram à agência Lusa que os alegados abusos sexuais foram perpetrados sobre cinco alunas, a partir do ano letivo 2015/2016 e durante três anos letivos.

Em relação aos crimes de abuso sexual, precisaram, "375 terão sido praticados sobre a mesma aluna, 87 dizem respeito a outra e 69 a mais uma menina", enquanto os restantes três dizem respeito às duas outras alunas.

Aquando da detenção, em novembro do ano passado, a Polícia Judiciária (PJ) revelou que o homem, "usando da ascendência que lhe conferia o estatuto de professor", conseguiu que "as suas alunas, menores de oito anos, se sujeitassem a atos de natureza sexual por ele praticados" desde 2015 na escola do 1.º ciclo do ensino básico do distrito de Beja onde lecionava.

As crianças já depuseram para memória futura e relataram os abusos de que alegadamente foram alvo por parte do professor.

O docente alegadamente ameaçava as crianças para que mantivessem o silêncio, mas o caso foi denunciado pela mãe de uma das alunas que terá sido abusada, tendo o homem sido detido pela Polícia Judiciária.

O julgamento deste caso no Tribunal de Beja prossegue na quarta-feira, às 09:45, estando também uma outra sessão já agendada para dia 17 deste mês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.