Prisão preventiva para os novos suspeitos da invasão à Academia de Alcochete

Foi decretada a medida de coação mais gravosa aos oito arguidos que foram ouvidos no Tribunal do Barreiro

Os oito novos suspeitos da invasão à Academia do Sporting, em Alcochete, ficam em prisão preventiva a aguardar o desenrolar do processo. O Tribunal do Barreiro decretou a medida de coação mais gravosa aos detidos que estiveram a ser ouvidos em interrogatório na terça e nesta quarta-feira.

Durante o interrogatório judicial apenas um arguido prestou declarações, o que não impediu o Ministério Público de pedir a aplicação da medida de coação de prisão preventiva para todos os detidos, pedido esse que foi acompanhado no despacho final do juiz Carlos Delca.

Os oito detidos são suspeitos da prática de crimes de terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro, dano com violência, tráfico de estupefacientes e detenção de arma proibida, entre outros.

Aos indícios da prática destes crimes que justificam a medida de coação mais grave, prisão preventiva, o juiz de Instrução Criminal considerou ainda existir perigo de fuga, de perturbação do decurso do inquérito e de grave perturbação da ordem e tranquilidade públicas.

Segundo o juiz Jorge Delca, há "mais dois ou três" suspeitos que não se encontram em Portugal e que ainda não foram constituídos arguidos

Além destes oito suspeitos, há ainda um nono a quem já foi decretada a prisão preventiva, u​​​​​​ma vez que se encontra internado no Hospital de São José, e "não havendo condições para o cumprimento do prazo, para apresentação ao juiz de instrução criminal, para ser sujeito a primeiro interrogatório judicial (48 horas), foi-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva", pelo juiz de instrução criminal do Tribunal do Barreiro.

Com esta decisão, são já 36 as pessoas detidas por alegado envolvimento nos incidentes de Alcochete, entre eles o antigo líder de uma claque do Sporting, Fernando Mendes, a que se juntam mais três arguidos suspeitos de crimes menos graves e que, por isso, ficaram apenas com a medida de coação de Termo de Identidade e Residência.

Segundo o juiz Jorge Delca, há "mais dois ou três" suspeitos que não se encontram em Portugal e que ainda não foram constituídos arguidos.

No total, há 36 detidos na sequência da invasão à Academia de Alcochete.

Recorde-se que no dia 15 de maio, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na Academia do clube, em Alcochete, por um grupo de cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos, jogadores e 'staff'.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

A 5 de junho foram detidas mais quatro pessoas, entre as quais o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Os arguidos estão indiciados por vários crimes, nomeadamente sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.