Prisão de Pinheiro da Cruz vai inaugurar instalações para visitas íntimas

Seis quatros de visitas íntimas serão inaugurados esta quarta-feira no estabelecimento prisional situado no Carvalhal, concelho de Grândola

O Estabelecimento Prisional de Pinheiro da Cruz, no Carvalhal, concelho de Grândola, vai passar a contar com instalações para visitas íntimas, cuja inauguração vai decorrer esta quarta-feira (20.00), integrada na celebração do 67.º aniversário da prisão.

De acordo com uma nota enviada às redações, as instalações vão incluir seis quartos de visitas íntimas, três gabinetes técnicos, um de controlo e uma sala de espera, que tiveram custos a rondar os 35 mil euros, com o intuito de "o reforçar laços familiares, com os resultados daí decorrentes para a reinserção social e para a preservação da ordem e da disciplina no estabelecimento prisional, e ampliar e modernizar espaços de trabalho".

Os espaços serão inaugurados juntamente com um sistema de videovigilância, numa cerimónia que contará com as presenças da Secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso, e do Diretor Geral da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, Celso Manata.

"Sublinha-se que quer a instalação de sistema de CCTV quer a criação de quartos para visitas íntimas se integram num plano nacional que irá prosseguir noutros estabelecimentos prisionais", pode ler-se na nota.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.