Praticante russo de kitesurf morre numa praia de Peniche

Homem de 34 anos ficou em dificuldades quando a prancha se partiu. Foi resgatado por outros surfistas

Um praticante de kitesurf, de nacionalidade russa, morreu esta segunda-feira de manhã depois de ter estado em dificuldades no mar, na praia dos Supertubos, em Peniche, distrito de Leiria, disseram fontes da Autoridade Marítima e do Centro Hospitalar do Oeste (CHO).

O homem deu entrada na urgência do Centro Hospitalar do Oeste, em Peniche, onde "as manobras de suporte básico de vida de reanimação não foram bem sucedidas e o óbito foi declarado", confirmou à agência Lusa Francisco San Martin, diretor clínico do CHO.

A vítima, de 34 anos, "estava a praticar kitesurf quando a prancha se partiu e ficou em dificuldades" dentro de água na praia dos Supertubos, disse à agência Lusa Fernando Fonseca, porta-voz da Autoridade Marítima Nacional, que confirmou também o óbito.

A Capitania de Peniche enviou para o local a lancha da estação salva-vidas e uma mota de água, mas o homem acabou por ser resgatado por "outros surfistas que o trouxeram para terra", adiantou.

Tanto na praia, como a caminho da urgência, foi sujeito a manobras de reanimação.

O socorro foi pedido pelas 08:30, tendo sido mobilizados para o local 12 elementos e cinco viaturas, de acordo com a página da internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

No local estiveram a Viatura Médica de Emergência e Reanimação de Caldas da Rainha, a ambulância de Suporte Imediato de Vida de Peniche e uma ambulância dos bombeiros locais.

Um praticante de kitesurf desloca-se sobre uma prancha, com tração do vento através de uma estrutura que se assemelha a um parapente, à qual o praticante está preso pela cintura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.