Portugueses procurados por tráfico de pessoas encontrados em Espanha

Foram condenados pelo Tribunal de Bragança a 15 anos de prisão

Dois fugitivos, condenados em Portugal a 15 anos de prisão por detenção ilegal e tráfico de pessoas, foram detidos pelas autoridades espanholas na periferia de Alicante, informou esta quinta-feira a polícia em comunicado.

Os detidos, de nacionalidade portuguesa, foram condenados, em junho, pelo Tribunal de Bragança e, a 4 de julho, as autoridades portuguesas emitiram um mandado de detenção europeu e entrega, tendo comunicado às autoridades espanholas que os foragidos poderiam estar na província de Alicante.

Os fugitivos, de 47 e 58 anos, foram localizados numa caravana estacionada nos arredores de Alicante, numa investigação realizada por agentes da Unidade de Drogas e Crime Organizado da Brigada Provincial da Polícia Judicial de Alicante, em colaboração com o Grupo de Localização de Fugitivos da mesma polícia.

Os portugueses foram condenados a 15 anos de prisão depois de, em 2017 e 2018, se terem aproveitado da situação de uma pessoa com doença mental, sem trabalho nem casa, a quem ofereceram um emprego como vendedor ambulante de balões e brinquedos em férias e festas.

A vítima, que aceitou o trabalho, mudou-se para Alicante onde, segundo a sentença, viveu em "condições de escravidão", sem ser pago e sem acesso a um telefone ou a cuidados de higiene.

Quando se negou a continuar a trabalhar, a vítima foi agredida e ameaçada de morte, até que conseguiu fugir e pedir ajuda.

Os fugitivos foram localizados nove dias depois da emissão do mandado europeu de detenção e foram presentes ao Tribunal Central de Instrução da Audiência Nacional, em Espanha.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.