Portugal apresenta hoje carta de intenção de candidatura ao EuroPride 2022

No ambito da Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não-Discriminação, Portugal quer organizar o maior evento da comunidade LBGT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo).

A Variações-Associação de Comércio e Turismo LGBTI de Portugal entrega esta quinta-feira a carta de intenção de candidatura ao EuroPride, "o maior evento" de celebração do orgulho gay na Europa, uma iniciativa que tem o apoio do governo português.

A carta de intenção de candidatura vai ser entregue no decorrer de uma reunião, em Lisboa, da direção da associação europeia responsável pelo EuroPride, a EPOA.

Nesta cerimónia estará presente a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro.

Em declarações à agência Lusa, a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade apontou que este tipo de evento está previsto na Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não-Discriminação e defendeu que serve para tornar mais visíveis e reconhecidos os problemas efetivos das pessoas LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo).

"Será o reflexo dos passos políticos decisivos do país nesta matéria, de que a aprovação da lei da autodeterminação da identidade de género é passo marcante", defendeu Rosa Monteiro, para quem a vinda do EuroPride para Portugal, em 2022, será o "corolário do trabalho desenvolvido".

Para a governante, esta é uma iniciativa que demonstra de forma clara como o país está comprometido com o combate a todas as formas de discriminação, visível pela forma como a sociedade civil está empenhada em trazer o evento para Portugal.

Por outro lado, admitiu que este é um evento que terá um impacto financeiro muito considerável, quer pelo número de pessoas que atrai, quer pelo dinamismo económico que suscita, quer ainda pela divulgação do país como destino.

Rosa Monteiro disse acreditar que Portugal possa ganhar, apontando que a organização tem um bom programa, que pode ser aliciante para a organização europeia.

No que diz respeito ao apoio estatal, Rosa Monteiro frisou que um possível apoio financeiro não está, para já, em cima da mesa.

Depois da entrega da carta de intenção, o passo seguinte passa pela entrega do documento final e do orçamento até julho, para depois o vencedor ser conhecido em setembro.

Portugal concorre contra Barcelona, Espanha; Belgrado, Sérvia; e Maspalomas, Espanha.

De acordo com a Variações, trata-se de um evento que poderá mobilizar entre 500 mil a um milhão de pessoas, com um retorno financeiro esperado de 15 vezes mais o valor investido.

A candidatura portuguesa pretende destacar-se pela diferença, desde logo porque não concorre apenas com uma cidade, mas pretende envolver Lisboa, Porto, além de outras cidades que queiram constituir um roteiro.

Nesse sentido, a organização já revelou que após a entrega da carta de intenção vão começar a sondar autarquias para ver quais estão interessadas em promover atividades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.