Portugal apresenta hoje carta de intenção de candidatura ao EuroPride 2022

No ambito da Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não-Discriminação, Portugal quer organizar o maior evento da comunidade LBGT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo).

A Variações-Associação de Comércio e Turismo LGBTI de Portugal entrega esta quinta-feira a carta de intenção de candidatura ao EuroPride, "o maior evento" de celebração do orgulho gay na Europa, uma iniciativa que tem o apoio do governo português.

A carta de intenção de candidatura vai ser entregue no decorrer de uma reunião, em Lisboa, da direção da associação europeia responsável pelo EuroPride, a EPOA.

Nesta cerimónia estará presente a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro.

Em declarações à agência Lusa, a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade apontou que este tipo de evento está previsto na Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não-Discriminação e defendeu que serve para tornar mais visíveis e reconhecidos os problemas efetivos das pessoas LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo).

"Será o reflexo dos passos políticos decisivos do país nesta matéria, de que a aprovação da lei da autodeterminação da identidade de género é passo marcante", defendeu Rosa Monteiro, para quem a vinda do EuroPride para Portugal, em 2022, será o "corolário do trabalho desenvolvido".

Para a governante, esta é uma iniciativa que demonstra de forma clara como o país está comprometido com o combate a todas as formas de discriminação, visível pela forma como a sociedade civil está empenhada em trazer o evento para Portugal.

Por outro lado, admitiu que este é um evento que terá um impacto financeiro muito considerável, quer pelo número de pessoas que atrai, quer pelo dinamismo económico que suscita, quer ainda pela divulgação do país como destino.

Rosa Monteiro disse acreditar que Portugal possa ganhar, apontando que a organização tem um bom programa, que pode ser aliciante para a organização europeia.

No que diz respeito ao apoio estatal, Rosa Monteiro frisou que um possível apoio financeiro não está, para já, em cima da mesa.

Depois da entrega da carta de intenção, o passo seguinte passa pela entrega do documento final e do orçamento até julho, para depois o vencedor ser conhecido em setembro.

Portugal concorre contra Barcelona, Espanha; Belgrado, Sérvia; e Maspalomas, Espanha.

De acordo com a Variações, trata-se de um evento que poderá mobilizar entre 500 mil a um milhão de pessoas, com um retorno financeiro esperado de 15 vezes mais o valor investido.

A candidatura portuguesa pretende destacar-se pela diferença, desde logo porque não concorre apenas com uma cidade, mas pretende envolver Lisboa, Porto, além de outras cidades que queiram constituir um roteiro.

Nesse sentido, a organização já revelou que após a entrega da carta de intenção vão começar a sondar autarquias para ver quais estão interessadas em promover atividades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.