Portaria sobre descontos nos passes sociais para alunos publicada em Diário da República

Os descontos nos passes sociais são alargados a todos os alunos, mesmo os de famílias que não têm dificuldades económicas. Uma medida que tem efeitos a partir de 1 de setembro

A portaria relativa aos novos descontos nos passes sociais para estudantes foi na quinta-feira publicada em Diário da República (DR) e tem efeitos desde 1 de setembro.

Os descontos nos passes sociais são alargados a todos os alunos, mesmo os de famílias que não têm dificuldades económicas.

A portaria agora publicada altera as condições de atribuição do "passe 4_18@escola.tp", para alunos entre os quatro e os 18 anos, e as condições de monitorização, fiscalização e compensação financeira do passe "sub23@superior.tp".

Na quinta-feira, a TSF noticiou que o facto de a regulamentação desta matéria não estar pronta tem "prejudicado milhares de famílias", uma vez que as empresas de transportes "não sabem o que dizer aos pais" que se dirigem às bilheteiras para comprar o passe "4_18@escola.tp".

No mesmo dia, o Ministério das Finanças informou que a portaria tinha sido assinada com efeitos desde 1 de setembro.

"O desconto a atribuir será de 25% sobre o valor de tarifa inteira dos passes mensais em vigor, mantendo-se o desconto mais elevado para estudantes beneficiários de Ação Social Direta do Ensino Superior"

Segundo a portaria, a Lei do Orçamento do Estado para 2018 determina que "o Governo deve proceder às alterações necessárias para que o passe mensal '4-18@escola.tp' abranja todas as crianças a partir dos quatro anos e os jovens com idade inferior ou igual a 18 anos que não frequentem o ensino superior e que não se encontrem abrangidos pelo transporte escolar".

Por outro lado, a lei orçamental estabelece que"a partir do início do ano letivo 2018/2019, o desconto a atribuir será de 25% sobre o valor de tarifa inteira dos passes mensais em vigor, mantendo-se o desconto mais elevado para estudantes beneficiários de Ação Social Direta do Ensino Superior".

Acresce que o Orçamento do Estado deste ano "habilita a aplicação do regime do 'passe sub23@superior.tp' aos serviços de transporte coletivo de passageiros autorizados ou concessionados pelos organismos da administração regional, nomeadamente nas regiões autónomas, pelo que se procede ao necessário ajuste nas responsabilidades de monitorização, fiscalização e compensação financeira".

De acordo com o calendário escolar do ano letivo 2018-2019, as atividades dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e do ensino básico e secundário arrancam entre 12 e 17 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.