PJ realiza buscas no quartel dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz

Fonte ligada a este processo explicou à Lusa tratar-se de eventuais crimes de falsificação e peculato.

A Polícia Judiciária (PJ) está esta segunda-feira a efetuar buscas no quartel dos bombeiros voluntários da Figueira da Foz, na sequência de um alegado crime da área económica e financeira, disse à agência Lusa fonte desta polícia.

Contactado pela Lusa, o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz, Lídio Lopes, confirmou a presença de elementos da PJ no quartel e mostrou total abertura para apoiar as investigações.

"A associação está inteiramente à disposição para que tudo se esclareça na investigação, preservando o seu bom-nome e aguardando pelo resultado das investigações", disse Lídio Lopes.

A PJ disse à Lusa que "estão a ser efetuadas buscas, no âmbito de um processo do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra, a ser investigado pela Polícia Judiciária de Coimbra, por um crime da área económica e financeira".

"O processo está em segredo de justiça", indicou a mesma fonte.

Fonte ligada a este processo explicou à Lusa tratar-se de eventuais crimes de falsificação e peculato.

Em causa, disse esta mesma fonte ligada ao processo, estarão eventuais crimes levados a cabo por um antigo chefe adjunto do comando (Nelson Fadigas) e pela sua esposa (Carla Mendes), ex-bombeira. Estes dois elementos demitiram-se recentemente dos bombeiros da Figueira da Foz, no distrito de Coimbra.

A mesma fonte esclareceu que um elemento que foi demitido recentemente em processo disciplinar estará na origem da denúncia, já que enviou essa mesma denúncia à associação e eventualmente à PJ.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.