Confronto entre gangues pode estar na origem de homicídio no Seixal

Um jovem de 20 anos foi morto a tiro na madrugada deste sábado na Amora, Seixal. A Polícia Judiciária afirma que há suspeitos identificados, mas "ainda não há detenções".

Um confronto entre gangues de bairros rivais pode estar na origem do homicídio de um jovem de 20 anos, na madrugada deste sábado, no parque de estacionamento de um supermercado, no Seixal, distrito de Setúbal, revelou fonte da Polícia Judiciária (PJ).

A mesma fonte avançou à Lusa que já há suspeitos identificados, todos "residentes na zona, em bairros diferenciados", embora a investigação esteja ainda numa fase inicial e seja tudo "muito prematuro".

"Na zona da Quinta da Princesa, Arrentela e Jamaica há grupos de indivíduos e os bairros estabelecem alguma rivalidade. Basta que haja peripécias entre eles para depois haver retaliações quando estão em maioria. Ainda não é possível confirmar [que foi isso que aconteceu], até porque, à partida, o suspeito estaria sozinho e é muito prematuro olhar para o que se passou aqui", explicou à Lusa fonte da PJ.

Segundo este elemento da polícia de investigação criminal, porém, mesmo que ainda seja difícil "identificar os suspeitos pela sua zona de residência", o confronto entre gangues é a possibilidade admitida.

Segundo aquela autoridade, o homicídio, a tiro, ocorreu no parque de estacionamento do supermercado E.Leclerc, na Amora, e vitimou um jovem com 20 anos.

"Ainda não há detenções"

A PJ não conseguiu indicar quantas pessoas estavam no local quando ocorreu o crime, e adiantou que, apesar de já estar a ouvir testemunhos, "ainda não há detenções".

"Estamos a fazer diligências para reconstruir a ocorrência", referiu.

Um jovem foi na madrugada deste sábado morto a tiro junto a uma zona de diversão noturna na Amora, Seixal, segundo fonte oficial da direção nacional da PSP.

O oficial de serviço à Direção Nacional da PSP disse à agência Lusa que o homicídio, a tiro, ocorreu pelas 06:30, tendo a PJ iniciado investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?