Pedrógão Grande. Plano atualizado contra incêndios aprovado por unanimidade

Comissão local inclui entidades como autarquia, bombeiros, juntas de freguesia, GNR, EDP e REN

Uma versão atualizada do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, no concelho de Pedrógão Grande, foi aprovada por unanimidade pela comissão local do setor, foi hoje anunciado.

"A atualização será remetida para o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que se pronunciará formalmente sobre a mesma com parecer vinculativo", revelou a Câmara de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia presidida por Valdemar Alves, eleito pelo PS, em 2017, após ter cumprido um primeiro mandato em representação do PSD, informa que a atualização daquele plano foi aprovada esta semana pela Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

Esta comissão, liderada pelo presidente da Câmara, inclui ainda o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, representantes das três juntas de freguesia do concelho (Pedrógão Grande, Graça e Vila Facaia), ICNF, GNR, Associação dos Produtores e Proprietários Florestais do Concelho (APFLOR), Infraestruturas de Portugal, EDP e Rede Elétrica Nacional (REN).

O grande incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Há dois meses, eram 10 os arguidos, todos pessoas singulares, no inquérito relacionado com os incêndios de Pedrógão Grande, de acordo com a Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."