Pedrógão Grande. Plano atualizado contra incêndios aprovado por unanimidade

Comissão local inclui entidades como autarquia, bombeiros, juntas de freguesia, GNR, EDP e REN

Uma versão atualizada do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, no concelho de Pedrógão Grande, foi aprovada por unanimidade pela comissão local do setor, foi hoje anunciado.

"A atualização será remetida para o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que se pronunciará formalmente sobre a mesma com parecer vinculativo", revelou a Câmara de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia presidida por Valdemar Alves, eleito pelo PS, em 2017, após ter cumprido um primeiro mandato em representação do PSD, informa que a atualização daquele plano foi aprovada esta semana pela Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

Esta comissão, liderada pelo presidente da Câmara, inclui ainda o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, representantes das três juntas de freguesia do concelho (Pedrógão Grande, Graça e Vila Facaia), ICNF, GNR, Associação dos Produtores e Proprietários Florestais do Concelho (APFLOR), Infraestruturas de Portugal, EDP e Rede Elétrica Nacional (REN).

O grande incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Há dois meses, eram 10 os arguidos, todos pessoas singulares, no inquérito relacionado com os incêndios de Pedrógão Grande, de acordo com a Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.