Pedrógão Grande. Plano atualizado contra incêndios aprovado por unanimidade

Comissão local inclui entidades como autarquia, bombeiros, juntas de freguesia, GNR, EDP e REN

Uma versão atualizada do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, no concelho de Pedrógão Grande, foi aprovada por unanimidade pela comissão local do setor, foi hoje anunciado.

"A atualização será remetida para o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que se pronunciará formalmente sobre a mesma com parecer vinculativo", revelou a Câmara de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a autarquia presidida por Valdemar Alves, eleito pelo PS, em 2017, após ter cumprido um primeiro mandato em representação do PSD, informa que a atualização daquele plano foi aprovada esta semana pela Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

Esta comissão, liderada pelo presidente da Câmara, inclui ainda o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, representantes das três juntas de freguesia do concelho (Pedrógão Grande, Graça e Vila Facaia), ICNF, GNR, Associação dos Produtores e Proprietários Florestais do Concelho (APFLOR), Infraestruturas de Portugal, EDP e Rede Elétrica Nacional (REN).

O grande incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

Há dois meses, eram 10 os arguidos, todos pessoas singulares, no inquérito relacionado com os incêndios de Pedrógão Grande, de acordo com a Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.