PAN questiona governo sobre alegadas fraudes na reconstrução de Pedrógão

Numa interpelação escrita ao Ministério da Administração Interna, o PAN pede respostas do governo sobre conhecimento de alegadas fraudes na recuperação de casas atingidas pelo incêndio de Pedrógão Grande em 2017

O PAN questionou esta quinta-feira o governo sobre alegadas fraudes na recuperação de casas atingidas pelo incêndio que eclodiu em Pedrógão Grande em 2017.

Numa interpelação escrita ao Ministério da Administração Interna (MAI), o PAN pede "respostas do governo sobre o conhecimento desta situação".

O partido pretende igualmente saber quais as medidas do executivo "relativamente a uma matéria que compromete gravemente a confiança dos portugueses nas instituições".

Em comunicado, o PAN recorda que o fogo que deflagrou em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, em 17 de junho de 2017, em que morreram 66 pessoas e mais de 200 ficaram feridas, "afetou o país a vários níveis".

"O espírito de solidariedade e de entreajuda dos cidadãos portugueses merece seriedade no apuramento rigoroso das circunstâncias em que possam ter ocorrido estas alegadas fraudes", defende.

O PAN salienta que a TVI divulgou este mês uma reportagem com "testemunhos na primeira pessoa que garantem ter recebido indicações para adulterar os processos de candidatura, forjando moradas de residência com a conivência dos poderes públicos locais", tal como já tinha sido publicado em julho pela revista "Visão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.