Fogos. CDS chama ministro e requer auditoria à utilização dos fundos

Líder parlamentar do partido disse que a realização de uma comissão de inquérito parlamentar vai depender das respostas que forem sendo atribuídas na sequência das iniciativas apresentadas

O CDS-PP requereu esta quarta-feira a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas no parlamento para esclarecer "todas as dúvidas" sobre a utilização dos fundos destinados à reconstrução de Pedrógão Grande e não excluiu uma comissão de inquérito.

Em conferência de imprensa, no parlamento, o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, anunciou que vai requerer uma auditoria independente, a realizar pelo Tribunal de Contas, à utilização "do dinheiro dos contribuintes" destinados à reconstrução das áreas afetadas pelos fogos naquela região, em 2017.

Uma terceira iniciativa, adiantou, será requerer a presença, no parlamento, do presidente do fundo Revita, Rui Fiolhais, para "esclarecer o destino que foi dado aos contributos" e donativos.

O "Revita" foi criado pelo governo para gerir os donativos entregues para a reconstrução das áreas destruídas pelos fogos do ano passado, em articulação com os municípios de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.

Questionado sobre se irá propor uma comissão de inquérito parlamentar, Nuno Magalhães respondeu que "dependerá das respostas" que forem dadas no seguimento das iniciativas agora apresentadas.

"Perante a gravidade do que está em causa", disse, o CDS-PP não excluirá nenhuma possibilidade, acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.