Fogos. CDS chama ministro e requer auditoria à utilização dos fundos

Líder parlamentar do partido disse que a realização de uma comissão de inquérito parlamentar vai depender das respostas que forem sendo atribuídas na sequência das iniciativas apresentadas

O CDS-PP requereu esta quarta-feira a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas no parlamento para esclarecer "todas as dúvidas" sobre a utilização dos fundos destinados à reconstrução de Pedrógão Grande e não excluiu uma comissão de inquérito.

Em conferência de imprensa, no parlamento, o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, anunciou que vai requerer uma auditoria independente, a realizar pelo Tribunal de Contas, à utilização "do dinheiro dos contribuintes" destinados à reconstrução das áreas afetadas pelos fogos naquela região, em 2017.

Uma terceira iniciativa, adiantou, será requerer a presença, no parlamento, do presidente do fundo Revita, Rui Fiolhais, para "esclarecer o destino que foi dado aos contributos" e donativos.

O "Revita" foi criado pelo governo para gerir os donativos entregues para a reconstrução das áreas destruídas pelos fogos do ano passado, em articulação com os municípios de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.

Questionado sobre se irá propor uma comissão de inquérito parlamentar, Nuno Magalhães respondeu que "dependerá das respostas" que forem dadas no seguimento das iniciativas agora apresentadas.

"Perante a gravidade do que está em causa", disse, o CDS-PP não excluirá nenhuma possibilidade, acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.