PCP acusa JP de Braga de "uso e abuso do poder municipal"

Carlos Almeida apontou como exemplos a participação do movimento em eventos como a Rampa da falperra, o Braga Sounds Better e a Feira Internacional de Agricultura

O PCP acusou esta segunda-feira a Juventude Popular de Braga de "uso e abuso do poder municipal", promovendo-se através de eventos autárquicos, acusação rejeitada pelo líder daquela estrutura, que respondeu que são os comunistas que estão "habituado a instrumentalizar" organizações.

Segundo o vereador comunista na Câmara Municipal de Braga Carlos Almeida, na reunião do executivo de hoje, há uma "promiscuidade inaceitável" no desempenho de Francisco Mota, que além de presidente da Juventude Popular (JP) de Braga é assessor do vereador Altino Bessa, eleito pelo CDS-PP na Coligação Juntos por Braga.

"É inaceitável o uso e abuso do poder municipal para promover uma estrutura partidária. Há aquilo que é a dinâmica de uma juventude partidária, tem o seu direito, o que não pode acontecer é aquilo que é a sede de uma juventude partidária ser o gabinete de um pelouro municipal", afirmou Carlos Almeida.

O comunista apontou como exemplos a participação da JP de Braga em eventos como a "Rampa da falperra, o Braga Sounds Better, na Feira Internacional de Agricultura" onde, segundo apontou, contaram "com presença identificada de uma estrutura juvenil partidária que não devia ter esse palco".

Em resposta, no final da reunião camarária em declarações aos jornalistas, Francisco Mota rejeitou as acusações do comunista, a quem devolveu acusações.

"Isto não interessa a ninguém, não interessa ao comum dos bracarenses, é política de vão de escada"

O líder da JP de Braga referiu que "já não é a primeira vez que [Carlos Almeida] vem a público e não é o facto de ele repetir ou tentar falar mais alto que passa a verdade o que ele diz".

Francisco Mota respondeu ainda que "não é tradição da JP fazer perseguições a quem pensa diferente, por isso é que houve o 25 de novembro, para que não houvesse uma ditadura de esquerda, nomeadamente do PC em Portugal".

O líder centrista explicou que a presença da JP nas atividades mencionadas foi devido ao programa da estrutura nacional "Semear Portugal", em parceria com a Quercus.

"Não exigimos a ninguém que se filiasse. Ao contrário do PC, que instrumentaliza as organizações, nós não. O PC é que está habituado a instrumentalizar organizações, sindicatos, nós não", acusou de volta.

Francisco Mota deixou ainda outra nota: "Enquanto houver um comunista a criticar quer dizer que estamos a fazer o nosso trabalho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.