Palácio da Pena vai abrir às quintas-feiras à noite

Palácio Nacional da Pena, em Sintra, estará aberto das 20.00 às 0.00 para iniciativa "Noites de verão no Palácio" entre 2 de agosto a 13 de setembro

O Palácio Nacional da Pena, em Sintra, estará aberto todas as quintas-feiras das 20.00 às 0.00, entre 2 de agosto a 13 de setembro, no âmbito da iniciativa "Noites de verão no Palácio", anunciou em comunicado enviado às redações a Parques de Sintra - Monte da Lusa, empresa que gere esse e outros monumentos do concelho sintrense.

Os visitantes que optarem por visitar o Palácio de noite terão acesso gratuito ao transporte público da Estação Ferroviária de Sintra para o monumento através do autocarro 434 da Scotturb, bem como ao transfer da entrada principal do Parque da Pena até ao Palácio. Quem assim o pretenda, poderá optar pela visita guiada, que se realiza às 21.30, mediante o pagamento de um suplemento adicional de cinco euros.

O preço para as "Noites de verão no Palácio" é de 14 euros (adultos), sendo o último bilhete emitido às 23.00.

Além desta iniciativa, os visitantes poderão, durante o período diurno, descobrir os 85 hectares do Parque da Pena, que inclui pontos turísticos como a Cruz Alta, o Templo das Colunas ou o Vale dos Lagos, tendo ao seu dispor um serviço de shuttle gratuito diário, que lhes permitirá fazer o percurso entre o Picadeiro do Parque da Pena e o Chalet da Condessa d" Edla.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.