Pais mudam morada fiscal para inscrever filhos na escola

Denúncia parte do movimento "Chega de Moradas Falsas" que diz terem sido relatadas situações deste tipo no agrupamento de escolas D. Filipa de Lencastre

O movimento "Chega de Moradas Falsas" garante que há pais a mudar a morada fiscal para colocarem os filhos na escola pública que pretendem. A denúncia foi feita por uma das fundadoras do movimento, Ana Sardoeira, em declarações à rádio TSF.

Ana Sardoeira sublinhou que esta é uma estratégia seguida por alguns pais que não moram na área de influência do agrupamento de escolas D. Filipa de Lencastre, mas que querem ter os filhos a estudar nesta escola, uma das mais procuradas de Lisboa.

O movimento admite não saber quantos casos deste existem, mas garante que já foram relatadas situações destas a pais de alunos e vizinhos e até na secretaria da escola.

A decisão de mudar a residência fiscal é uma forma de tentar contornar as exigências das escolas que cumprem o despacho do Ministério da Educação referente aos critérios a seguir para aceitar as matrículas nas escolas. Um documento que surgiu depois de várias polémicas sobre a colocação de alunos em estabelecimento de ensino que não pertencem à sua área de residência, mas que conseguiam lugar apresentando moradas que não eram as suas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.