Pais atrasam processo de colocação dos alunos nas escolas

Despacho das matrículas deste ano exige que os dados dos alunos, como a morada, sejam validados pela Autoridade Tributária.

Muitos encarregados de educação atrasam o processo de colocação dos alunos ao apresentarem apenas uma opção de escola na matrícula de inscrição, que exige cinco estabelecimentos de ensino, alertou nesta sexta-feira o representante dos diretores escolares.

As listas de colocação dos alunos nas escolas saíram na segunda-feira, mas há pais preocupados porque os seus filhos não ficaram colocados em nenhuma escola.

Em declarações à Lusa, o Ministério da Educação (ME) garante que, "neste momento, o processo de colocação de alunos está estabilizado", mas, tal "como acontece todos os anos, há sempre um conjunto residual de situações que ficam resolvidas pouco tempo depois de as listas saírem".

Ao Portal da Queixa, por exemplo, chegaram "mais de dez reclamações em três dias relativas à falha e falta de vagas na colocação de alunos em escolas", refere aquela rede social de consumidores.

O presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, aponta o dedo aos encarregados de educação que, quando estão a preencher os formulários de matrícula, colocam apenas o nome de uma escola na lista de preferências.

Apesar de ser obrigatório apresentar cinco estabelecimentos de ensino, Filinto Lima diz que é muito usual os encarregados de educação deixarem muitas dessas opções em branco, "pensando que é melhor pôr apenas a escola que querem mesmo".

No entanto, quando não há vaga na única escola que escolheram, as secretarias veem-se obrigadas a contactar os encarregados de educação para que preencham as restantes opções.

"Há casos de famílias que estão de férias e são contactadas pelas escolas. Claro que ficam sobressaltadas quando percebem que os seus filhos não têm vaga. Isto obriga a interromper as férias para ir à escola tratar do processo", disse à Lusa, sublinhando que só o encarregado de educação o pode fazer.

Segundo Filinto Lima, "isto acontece todos os anos, mas acaba tudo por se resolver".

No entanto, também existem casos de famílias que preenchem as cinco opções e mesmo assim não conseguem vaga em nenhuma das preferências indicadas, sendo certo que o Ministério da Educação garante que ninguém fica de fora.

Nestes casos, a escola envia o processo para a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), "que se encarrega de arranjar uma vaga numa escola", explica o ME em resposta à Lusa, sem adiantar quantos processos tem a DGEstE neste momento.

A DGEstE tem esta responsabilidade, mas os pais que o desejem "também podem dirigir-se às delegações da DGEstE (por escrito ou em presença) para o mesmo efeito", acrescenta o ME.

AT tem de validar

O ano letivo que agora terminou ficou marcado por protestos de professores, que realizaram greve às reuniões de avaliações, acabando por atrasar alguns processos de inscrição. A principal causa da luta dos docentes prende-se com a contabilização dos anos de serviço congelados para efeitos de progressão na carreira.

Também neste ano, em abril, o ME mudou as regras de inscrição dos alunos, passando a ser obrigatório que o encarregado de educação resida na mesma morada fiscal que o aluno, além de que ambos têm de fazer parte do mesmo agregado familiar.

Para combater eventuais fraudes com moradas falsas, o despacho das matrículas deste ano passou a exigir que esses dados fossem validados pela Autoridade Tributária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.