Pai de jihadistas portugueses quer netos e noras em Portugal

O que o diretor do SIS tinha antecipado confirma-se: a vinda para o nosso país de familiares de jihadistas portugueses, mulheres e crianças, está a ser avaliada. Quatro dos seis jihadistas nacionais alvo de mandato de captura do MP estão dados como mortos

Familiares dos dois jihadistas portugueses, cuja morte é dada como provável, de acordo com o Expresso deste sábado, estão a pedir apoio às autoridades para que as mulheres destes e os seus filhos possam vir para Portugal. De acordo com o que o DN soube junto de fontes que têm acompanhado o processo, o pai dos irmãos Costa (Celso e Edgar) tem feito contactos junto a várias entidades nacionais e internacionais para que ajudem a trazer as quatro noras (os irmãos Costa tinham duas mulheres cada um).

Celso e Edgar partiram de Massamá, Sintra, e fazem parte da designada "célula de Leyton", zona inglesa onde se radicalizaram e de onde partiram para o califado em 2013. No autoproclamado estado islâmico tinham um papel destacado e chegaram a protagonizar vídeos de propaganda.

As quatro mulheres e as crianças estão no campo de refugiados de Roj e Ain Issa, na Síria, numa zona controlada pelos curdos. Os campos estão sob gestão da Cruz Vermelha e será também através desta organização internacional que o pai dos irmãos Costa tem feito os seus apelos.

Com elas estará também a mulher de Sadjo Turé, outro da "célula de Leyton", cuja morte foi anunciada pelo DN em 2015. As cinco mulheres têm ao todo cerca de uma dezena de crianças, a maior parte nascidos no califado, mas alguns ainda nascidos em Portugal e no Reino Unido.

Programas de reintegração

O regresso dos familiares de jihadistas é uma das grandes preocupações da União Europeia, a par do regresso dos próprios combatentes aos países europeus de origem. Na ausência, em boa parte dos casos, de provas de envolvimento direto no daesh que possam sustentar uma acusação judicial e condenação, resta a avaliação de risco das secretas que indicará se representam uma ameaça à segurança e têm de ser acompanhadas ou se são simplesmente vítimas. As mulheres e as crianças têm sido alvo de medidas especiais e em Portugal várias entidade têm participado e ações de formação.

No início deste ano, o diretor-geral do SIS, Neiva da Cruz alertou que o nosso país se poderia confrontar com essa questão ainda este ano, e chamou a atenção para a falta de um plano estratégico para a abordagem destes regressos. Pediu "programas multidisciplinares" de reintegração, semelhantes aos de outros países, que vão além de medidas securitárias, para prevenir riscos de novas radicalizações.

Confrontado pelo DN com esta preocupação, o gabinete da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna (SSI), que coordena estas ações, respondeu que "só a análise da situação concreta (caso a caso) pode determinar o tipo e o nível de intervenção ou de apoio a adotar". Helena Fazenda sublinhou que "todas as ações e medidas que forem priorizadas de acordo com o plano já aprovado serão sempre materializadas através de uma intervenção integrada e multidisciplinar considerando as diferentes necessidades e as diferentes competências em razão da matéria. Trata-se de um campo de intervenção de abordagem casuística, com a necessidade de conciliar diferentes princípios, direitos e deveres".

As medidas em causa estão integradas no "Plano de Prevenção da Radicalização e dos Extremismos Violentos", previsto na Estratégia Nacional de Combate ao Terrorismo, aprovado pela equipa da Unidade de Coordenação Antiterrorista (UCAT), sob coordenação do SSI. As propostas, que envolvem várias entidades, desde as forças e serviços de segurança, aos setores da Educação, Saúde Mental, Segurança Social ou de apoio à vítima, estão ainda a ser alvo de análise pelos diversos organismos envolvidos. Contactado de novo pelo DN para uma possível atualização desta informação, facultada em maio deste ano, o SSI ainda não respondeu.

Analistas de risco, como Diogo Noivo, alertaram que "não preparar o regresso destes indivíduos pode agravar os riscos de radicalização em território nacional".

Está estimado que haverá entre 10 a 15 jihadistas com origem ou ligações a Portugal (alguns são filhos de emigrantes em França e na Holanda, por exemplo), sendo que apenas seis são alvo de mandados de captura emitidos pelo MP português, entre os quais os irmãos Costa, Sadjo Touré e Sandro "Funa", dados como mortos. Restam ainda Fábio Poças e Nero Saraiva, sobre os quais também não há garantia que estejam vivos. No entanto, as autoridades portuguesas também não dão como certa a morte de nenhum deles, uma vez que essa informação nem sempre tem sido passível de confirmação (através da identificação dos cadáveres, por exemplo) e consideram sempre que a sua morte pode ser simulada para poderem circular mais livremente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.