Padre e poeta Tolentino Mendoça será arcebispo no sábado e vai para Roma

Marcelo Rebelo de Sousa disse que a nomeação "é um ato que engrandece o nome de Portugal"

Padre mas também poeta, ensaísta mas também tradutor, professor mas também cronista, Tolentino de Mendonça é ordenado arcebispo no sábado e a partir de setembro dirige a biblioteca do Vaticano, numa nomeação que "engrandece o nome de Portugal".

Foi o Presidente da República quem o disse a 26 de junho, no mesmo dia em que foi divulgado que o padre madeirense tinha sido indigitado pelo papa como arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Apostólica, passando a tutelar a mais antiga biblioteca do mundo.

Nesse mesmo dia foi também anunciado que José Tolentino de Mendonça seria elevado a arcebispo, recebendo simbolicamente a antiga sede episcopal de Suava, no norte de África.

A ordenação episcopal acontece na tarde de sábado no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e a celebração será presidida pelo cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, e terá como bispos co-ordenantes o cardeal António Marto, bispo de Leiria-Fátima, e Teodoro de Faria, bispo emérito do Funchal.

Foi na Madeira, em Machico, que nasceu e foi lá que se tornou padre, aos 24 anos. Mas também viveu em Angola, onde passou a infância, regressando à Madeira com o 25 de abril. E depois em Roma, onde estudou ciências bíblicas, e ainda em Lisboa para estudar teologia bíblica na Universidade Católica, onde foi professor e vice-reitor.

No ano em que se tornou padre editou também o primeiro livro de poesia, "Os Dias Contados", o primeiro de dezenas de outros livros, de poesia, essencialmente, mas também de ensaios e textos pastorais, teatro até, sem contar com artigos em revistas e jornais.

Foi diversas vezes premiado e recebeu em 2001 a ordem do Infante D. Henrique, sendo depois de novo condecorado pela Presidência da República em 2015, com a Ordem de Sant´Iago de Espada.

José Tolentino Calaça de Mendonça, arcebispo a partir de sábado, é um admirador confesso da poesia de Herberto Helder, que foi também um madeirense, de Pasolini, cineasta, poeta e escritor italiano, ou de Fernando Pessoa, entre outros nomes, quase sempre poetas.

A sua escolha pelo papa tornou-o também mais admirado. A Assembleia Legislativa da Madeira aprovou um voto de congratulação, a Assembleia da República um voto de louvor. Os deputados consideraram-no "um dos mais destacados teólogos portugueses" e lembraram os "diversos prémios pela sua obra poética e ensaística".

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, referiu-se ao "vulto maior da cultura portuguesa contemporânea" e disse que a nomeação "é um ato que engrandece o nome de Portugal", e confessou-se seu admirador.

Mas não só. Tolentino de Mendonça, disse o Presidente, "é admirado pelos portugueses", tendo alcançado "um lugar cimeiro" em Portugal e no "seio da intelectualidade católica de todo o mundo".

Doutor em Teologia Bíblica, antigo vice-reitor da Universidade Católica e diretor da respetiva Faculdade de Teologia, consultor do Conselho Pontifício da Cultura, reitor do Pontifício Colégio Português em Roma, diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura da Igreja Católica em Portugal, será arcebispo a partir de sábado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.