Polícia deteve mais de uma dezena de suspeitos da invasão em Alcochete

Fonte policial tinha dito à Lusa que o número de detidos era de seis, mas que podia aumenta. Operação conjunta da PSP e GNR decorre em Lisboa e noutras zonas próximas.

A PSP e a GNR detiveram hoje 15 pessoas no âmbito das agressões que ocorreram em maio na Academia do Sporting em Alcochete, segundo a revista Sábado. Mais cedo, fonte policial indicara à agência Lusa que eram seis os detidos, admitindo contudo que o número pudesse aumentar, uma vez que a operação ainda estava em curso.

A operação decorre no âmbito de uma investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) às agressões que aconteceram a 15 de maio na Academia do Sporting em Alcochete.

Segundo a revista, as detenções ocorreram em Lisboa, Montijo, Amora, Cacém, Lavradio, Vale da Amoreira, Loures, Moita e Rio de Mouro. Os detidos têm idades à volta dos 25 anos e mais de metade já estavam referenciados pelas autoridades por vários crimes, como tráfico de droga e roubos.

Detidos ouvidos no Tribunal do Barreiro

Segundo a fonte da Lusa, os detidos pela PSP vão passar a noite de hoje no Comandado Metropolitano de Lisboa (Cometlis), em Moscavide.

Os detidos que resultarem da operação de hoje vão ser ouvidos na terça-feira no Tribunal do Barreiro.

No dia 15 de maio passado, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na Academia do clube por um grupo de cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos, jogadores e 'staff'.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

No dia 05 de junho, foram detidas pelas autoridades mais quatro pessoas, entre elas antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Estes 27 arguidos estão indiciados por vários crimes, nomeadamente sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.