Objeto explosivo obrigou a evacuar piscinas do Lido do Funchal

Comandante da capitania diz que objeto pode ser um very light de submarino. Tem inscrições militares e foi retirado

A descoberta de um objeto com inscrições militares levou esta quarta-feira à evacuação do complexo de piscinas do Lido, na Madeira, mas já foi retirado, informou a PSP e a Polícia Marítima.

De acordo com uma fonte dos Complexos Balneários e Passeio Público, "foi encontrado um objeto de metal com aspeto e inscrições militares por baixo da plataforma [balnear], que se deduz que possa ser um explosivo".

O comandante da Capitania do Porto do Funchal, Paulo Silva, disse, entretanto, à Lusa que o objeto poderá ser um "very light" de um submarino que tenha sido disparado nalgum exercício e que agora tenha dado à tona naquele local.

"Não é perigoso desde que não seja tocado o seu interior, pois contém uma substância que em contacto com a pele pode desencadear reações", explicou.

O objeto - de 30 centímetros de comprimento e de oito de diâmetro - tem inscrito "se for encontrado avisar a polícia ou forças militares" e foi encontrado por um agente policial que estava a nadar nas imediações da plataforma de lazer marítima.

A área do complexo e as suas imediações foram isoladas por um cordão policial, tendo-se deslocado ao local uma brigada de Inativação de Explosivos e Segurança em Subsolo". O alerta foi dado pelas 19:00 horas e o objeto já foi retirado do local.

O Complexo Balnear do Lido é um dos principais locais de acesso e diversão marítima da cidade do Funchal, sob jurisdição da respetiva Câmara Municipal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.