Objeto explosivo obrigou a evacuar piscinas do Lido do Funchal

Comandante da capitania diz que objeto pode ser um very light de submarino. Tem inscrições militares e foi retirado

A descoberta de um objeto com inscrições militares levou esta quarta-feira à evacuação do complexo de piscinas do Lido, na Madeira, mas já foi retirado, informou a PSP e a Polícia Marítima.

De acordo com uma fonte dos Complexos Balneários e Passeio Público, "foi encontrado um objeto de metal com aspeto e inscrições militares por baixo da plataforma [balnear], que se deduz que possa ser um explosivo".

O comandante da Capitania do Porto do Funchal, Paulo Silva, disse, entretanto, à Lusa que o objeto poderá ser um "very light" de um submarino que tenha sido disparado nalgum exercício e que agora tenha dado à tona naquele local.

"Não é perigoso desde que não seja tocado o seu interior, pois contém uma substância que em contacto com a pele pode desencadear reações", explicou.

O objeto - de 30 centímetros de comprimento e de oito de diâmetro - tem inscrito "se for encontrado avisar a polícia ou forças militares" e foi encontrado por um agente policial que estava a nadar nas imediações da plataforma de lazer marítima.

A área do complexo e as suas imediações foram isoladas por um cordão policial, tendo-se deslocado ao local uma brigada de Inativação de Explosivos e Segurança em Subsolo". O alerta foi dado pelas 19:00 horas e o objeto já foi retirado do local.

O Complexo Balnear do Lido é um dos principais locais de acesso e diversão marítima da cidade do Funchal, sob jurisdição da respetiva Câmara Municipal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.