Novo sismo sentido em Vila Verde

Região do Minho tem sofrido abalos de fraca intensidade durante a última semana

Um novo sismo foi sentido no Minho com epicentro perto de Vila Verde: ocorreu às 10:36, com uma magnitude de 2.9 na escala de Richter, de acordo com o site do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Este abalo de fraca intensidade vem na sequência de uma série de pequenos sismos que foram sentidos ao longo da semana nesta região. Segundo a página do IPMA, foram já registados mais de três dezenas de sismos em Vila Verde durante os últimos dez dias.

Mas são pequenos sismos considerados normais pelo IPMA, a maioria dos quais não é sequer sentida. "A energia libertada pelos sismos, associando à magnitude, não tem nada de excecional para a zona. São sismos que foram percecionados pela população e com epicentro muito próximo de zonas habitadas, o que faz com que seja comunicada a ocorrência", disse à Lusa, Fernando Carrilho, geofísico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Segundo o especialista, os sismos de Vila Verde não estão inseridos nas zonas de maior risco no contexto de perigosidade sísmica, já que, adiantou, no norte e noroeste de Portugal a perigosidade é "baixa", o que "não quer dizer que não ocorram sismos de tempos a tempos e que sejam sentidos".

"As zonas de maior perigo sísmico são as zonas do Algarve e Lisboa e vale inferior do Tejo, onde o risco é mais elevado", sublinhou.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.